Connect with us

Politica

Rússia e EUA lutam pela influência em Luanda

Published

on

A sede da diplomacia angolana esteve movimentada na tarde desta terça-feira, 12. O ministro das Relações Exteriores, Téte António, recebeu os embaixadores acreditados em Angola, Vladimir Tararov (Rússia), e Tulinabo Mushingi (Estados Unidos da América). Segundo nota do MIREX, ambos abordaram assuntos ligados ao “incremento da cooperação bilateral”, entretanto, como pano de fundo, há a aproximação da governação de João Lourenço aos EUA e a pressão russa para “a necessidade da efectivação de trocas de visitas ao mais alto nível” entre Luanda e Moscovo.

Doze dias após o encontro de João Lourenço com Joe Biden, na Casa Branca, as reacções à visita foram analisadas pelo ministro das Relações Exteriores e o representante norte-americano em Angola, em Luanda. No mesmo dia, Téte António falou com o representante russo no país sobre a criação de uma Comissão Bilateral Angola-Rússia e a realização do Comité de Cooperação Técnico-Militar entre os dois países.

Claramente, Moscovo não quer abrir mão da histórica relação com os “irmãos angolanos”, relembrada aquando da visita do ministro dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa, Serguei Lavrov, a Angola, em Janeiro, que teve como objectivo reforçar as relações e “relembrar aqueles tempos” quando estiveram juntos, sinalizando a “amizade” entre os dois povos.

Como exemplo, no encontro de ontem, “Vladimir Tararov aproveitou o momento para convidar as autoridades angolanas a participarem em dois importantes eventos a realizar-se na Confederação Russa, nomeadamente o Fórum Internacional da Juventude, a 01 de Janeiro de 2024, em Sochi, e o Fórum Internacional das Mulheres, a ter lugar em St. Petersburg”, convites esses que o comunicado do MIREX não informa se serão aceites.

Por outro lado, a conversa com Tulinabo Mushingi girou em torno de questões regionais, num momento em que os EUA destacaram a importância que Angola tem no contexto africano para a governação de Joe Biden.

“Os Estados Unidos da América apreciam os esforços envidados por Sua Excelência o Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço na busca de uma solução pacífica e duradoura do diferendo entre Ruanda e a RDC”, disse Mushingi, segundo o comunicado.

Os conflitos vividos no Leste da República Democrática do Congo, com foco na implementação dos Processos de Luanda e de Nairóbi, e o envio das Forças da SADC na RDC, bem como as eleições marcadas para 20 de Dezembro, estiveram, igualmente, entre os assuntos conversados com o representante dos EUA.

Independente das motivações, registos de ambas reuniões apresentam ambientes descontraídos, numa mostra da actual diplomacia angolana de cultivar a boa vizinhança, seja com antigos ou novos aliados.

Colunistas