Conecte-se agora

País

INAMET diz que probabilidades de ciclone em Angola são reduzidas

O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) desmentiu hoje as informações em circulação nas redes sociais, sobre a aproximação do “Ciclone Idai” a Angola, tranquilizando a população de que as probabilidades deste fenómeno passar pelo país são reduzidas.

Angop

Publicados

on

inamet diz que probabilidades de ciclone em angola são reduzidas - Ciclone idai - INAMET diz que probabilidades de ciclone em Angola são reduzidas

Nas várias plataformas digitais, com maior frequência no Facebook e Whatssap, veiculam-se, desde a tarde desta quinta-feira, notícias sobre a um alegado ciclone observado no norte da vizinha República da Namíbia, que pode eventualmente atingir a província do Cunene.

Por este motivo, esta estação meteorológica esclarece que a circulação ciclónica vista no referido ponto da Namíbia deu-se a uma latitude de onze mil metros (250 hpa ou hectopascal – unidade utilizada para a medição da pressão atmosférica.

Já a profundidade deste fenómeno natural, segundo um comunicado do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica chegado hoje a Angop, foi vista até a altitude de cinco mil e 570 metros (500 hpa).

Nesta conformidade, o instituto informa que o centro do ciclone está localizado na latitude 21,18 graus S e a longitude é 14,16 graus E, estando, pois, a circulação ciclónica mais intensa em altos níveis, vindo a diminuir de intensidade em médios e baixos níveis, próximo à superfície terrestre.

“O INAMET está a monitorar o fenómeno, pelo que aproveita para informar e tranquilizar a população no sentido de se manter calma e serena, visto que a probabilidade de haver qualquer evento extremo em Angola é, por enquanto, bastante reduzida” – refere a nota.

A mesma acrescenta que, qualquer evolução, essa entidade actualizará a informação em tempo oportuno.

A República de Moçambique (situada no sudeste do continente africano) foi devastada, no dia 4 do corrente mês, pelo “ciclone Idai”, que chegou a atingir também o leste do Zimbabwe, onde provocou a morte, até ao dia 17, de 30 cidadãos e o desaparecimento de dezenas.

Depois de sofrer os efeitos de ventos de até 200 quilómetros por hora, Moçambique estima que entre 700 e mil pessoas morreram. Além disso, o desastre deixa o rastro de contaminação na água, o que motivou a realização de trabalho para evitar mortes por surtos de cólera e outras doenças.

A cidade da Beira, na qual Angola canalizou ajuda médica, medicamentosa e alimentar, foi a mais afectada.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD