Conecte-se agora

Mundo

Doações de empresas e milionários para Notre-Dame superam 600 milhões de euros

Redação

Publicados

on

[object object] - Notre Dame de Paris - Doações de empresas e milionários para Notre-Dame superam 600 milhões de euros

As doações de companhias francesas e milionários – inclusive brasileiros – para financiar a reconstrução da catedral de Notre-Dame, em Paris, parcialmente destruída por um incêndio na noite desta segunda-feira, somavam cerca de 700 milhões de euros nesta terça-feira.

A empresa francesa de cosméticos, L’Oréal, dará 200 milhões de euros, um valor agregado aos 200 milhões doados pelo grupo LVMH e aos 100 milhões prometidos respectivamente pela família Pinault e pela petrolífera Total.

A família Bernard Arnault, propietária do grupo LVMH, propôs, além da ajuda financeira, colocar a disposição “suas equipes criativas, arquitetônicas e financeiras”.

Martin Bouygues, proprietário do grupo Bouygues, e seu irmão Olivier disseram estar “muito afetados” e farão uma doação “a título pessoal” de dez milhões de euros através de sua holding familiar, SCDM.

O empresário Marc Ladreit de Lacharrière (Fimalac) afirmou que deseja participar com 10 milhões de euros “para a reconstrução da flecha”, enquanto a família Bouygues prometeu o mesmo montante.

Um impulso de solidariedade sem precedentes “que se deve à posição completamente excepcional de Notre-Dame”, para François Debiesse, chefe da associação Admical que promove o mecenato corporativo, comparando este movimento de solidariedade com o observado durante grandes desastres humanitários.

A Total, por sua vez, doará 100 milhões de euros para reconstruir a catedral de Notre-Dame de Paris, conforme anunciou o presidente executivo do petroleiro francês, Patrick Pouyanné, no Twitter.

Através de sua fundação, o banco Crédit Agricole anunciou uma doação de cinco milhões de euros.

O banco BNP Paribas anunciou uma doação de 20 milhões de euros, enquanto Crédit Mutuel e CIC não informaram os montantes.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, disse nesta terça que a cidade financiaria a reconstrução com 50 milhões de euros e propôs uma conferência internacional para coordenar as doações e restaurar o edifício.

Enquanto os bombeiros ainda trabalhavam, empresas e anônimos começaram a fazer doações pelo site da Fondation du patrimoine. Através des organismo privado (e os sites don.fondation-patrimoine.org e fondation-patrimoine.org) que se organiza o financiamento nacional.

A Heritage Foundation, uma organização francesa financiada por fundos privados, também pede doações em seu site, bem como iniciativas no site de crowdfunding Leetchi.

A região de Ile-de-France, que inclui Paris e seus arredores, prometeu dez milhões de euros.

Para reconstruir o templo, que anualmente recebe 13 milhões de visitantes – uma média de 35.000 pessoas por dia – serão necessários artesãos especializados e madeiras raras.

O diretor do grupo Charlois, o maior fornecedor de carvalho na França, prometeu oferecer os melhores materiais para reconstruir a complexa armação de madeira, conhecida como “a floresta”, devido ao número de vigas usadas para construí-la.

A UNESCO, com sede em Paris, prometeu trabalhar com a França para restaurar a catedral, inscrita desde 1991 em sua lista de patrimônios da humanidade.

E a solidariedade ultrapassa as fronteiras francesas. A bilionária brasileira Lily Safra e a fundação em nome de seu marido, Edmond Safra, banqueiro sírio-libanês morto em 1999, anunciaram uma doação de 10 milhões de euros.

Em Nova York, a associação French Heritage Society pediu doações de seus 450 membros.

Henry Kravis, cofundador do fundo de investimento americano KKR, e sua esposa Marie-Josée Kravis prometeram dez milhões de dólares.

Pelo Twitter, o CEO da Apple, Tim Cook, anunciou uma doação, sem informar o montante.

A restauração poderá custar centenas de milhões de euros por vários anos, até mesmo décadas, embora especialistas afirmem que as consequências poderiam ter sido piores.

É por isso que muitas pessoas pediram uma mobilização de recursos para uma rápida reconstrução.

A cidade húngara de Szeged também doará 10.000 euros porque em 1879 Paris ajudou a reconstruir esta cidade do sul do país, devastada por uma inundação.

Na Costa do Marfim, o rei de Krindjabo, a capital do reino de Sanwi, no sudeste do país, prometeu uma doação. Um príncipe de seu reino foi butizado na catedral no século XVIII.

 

AFP

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD