Connect with us

Economia

Venda de divisas cai 77% no primeiro semestre de 2020

Published

on

A venda de divisas, no primeiro semestre do ano de 2020, registou um decréscimo de 77,23%, face ao primeiro semestre do período homólogo de 2019, em que se registou 85,81%, disse o director do Departamento de Controlo Cambial do Banco Nacional de Angola (BNA), Marcos Neto.

Segundo o gestor,  que falava nessa quinta-feira no Ciclo Anual de Conferências do Banco Nacional de Angola (BNA), a redução deveu-se a liberalização do mercado cambial, onde as operadoras do sector petrolífero e as diamantíferas vendem suas divisas directamente aos bancos comerciais.

O essencial dessa política, explicou o responsável, reside em ter o câmbio do Kwanza flexível, sendo o seu valor face às moedas estrangeiras fixado de acordo com o mercado.

Disse que tal política facilita a dinâmica do mercado cambial do país e visa, dentre outros objectivos, diminuir as importações, aumentar as exportações e controlar a inflação.

 Em função dessa medida adoptada em 2019, o BNA intervém apenas no mercado interbancário por meio de leilões de divisas, com medidas de correcção ou ajuda da taxa de câmbio.

Ainda durante o período em análise, as compras de divisas dos bancos comerciais a clientes aumentaram em cerca de 36 e 46%, face ao primeiro semestre de 2020 e 251,82% comparativamente ao primeiro semestre de 2019.

Como resultados positivos na compra de divisas, aponta-se o contínuo crescimento das vendas do sector petrolífero e do Ministério das Finanças no mercado.

Por Angop 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (18)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (89)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania