Connect with us

Desporto

“Estamos a aguardar a reacção do Ministério para termos uma São Silvestre Internacional”

Published

on

O presidente da Federação Nacional de Atletismo, Bernardo João, disse esta quinta-feira, 22, em entrevista cedida ao Correio da Kianda, que a falta de verbas por parte da federação pode condicionar a vinda de atletas internacionais ao evento e que só a reacção do Ministério dos Desportos ditará se a corrida este ano será simplesmente nacional ou internacional, numa altura que falta pouco menos de oito dias para a habitual corrida pedestre de fim de ano, a “São Silvestre”.

Bernardo João garantiu que a corrida será um facto, porém, os condicionalismos financeiros continuam a ser um entrave para a realização do evento na dimensão internacional.

“Não temos verbas para trazer os países convidados num número de sete, dos quais, África do Sul, Namíbia, Quênia, Botswana, RDC, Eritreia e Marrocos. O Ministério está a trabalhar no assunto, numa comunicação do director nacional para salvaguardar a competição internacional”, avançou.

O presidente disse que a vinda dos atletas internacionais não se resume, simplesmente, nas compras de passagens e eles chegarem ao país: “temos que ver a questão das premiações, alojamentos, alimentação e transporte local. Vamos aguardar tão logo o ministério esteja disponível para o efeito, para saber se vamos manter a corrida internacional”.

Questionado como está a comunicação com os países convidados face ao imbróglio financeiro actual da federação, Bernardo João avançou que tem tido “contacto periódico com os países. Sabes que quando a gente convida, obriga automaticamente os outros países a preparem os atletas para virem à corrida. Então, a preparação está a decorrer, não é só falarmos que os atletas não podem vir porque não temos valores, não. Há outros processos. Vamos aguardar que o ministério consiga reagir no sentido dos atletas internacionais poderem estar connosco”.

A nível de organização, o presidente da Federação realçou que existe ainda problemas por se ultrapassar: “só temos 50% do equipamento da corrida feito, temos dívidas por pagar, todo processo do evento deve-se a abertura da mão do Ministério para salvaguardar. Perdemos um grande patrocínio por questões financeiras por parte deles e garantem estar connosco só o próximo ano, praticamente não temos patrocinador, simplesmente apoios, pois para se chegar ao nível de patrocinador há uma rúbrica específica de valores para qualquer instituição ou empresa se sentir patrocinador e como não atingiram esta cifra, então são patrocinadores”.

Bernardo João disse ainda que, para este ano, até ao momento, o número de inscritos satisfaz . “Até a altura da nossa entrevista, 1830 pessoas já estavam inscritas, um número que agrada a nossa organização, os atletas das demais províncias começam a chegar no dia 29, cada delegação será composta de 3 elementos sendo um masculino e igual número de feminino e treinador ou chefe de delegação”, informou.

Colunistas