Connect with us

Politica

“Usa-se os filhos para fazer mal ao pai politicamente”, diz Tchizé sobre condenação de Zenu dos Santos

Published

on

A ex-deputada Tchizé dos Santos lamentou a condenação do irmão, ex-presidente do Fundo Soberano de Angola, pelo crime de burla por defraudação, na forma continuada, a quatro anos de prisão maior e pelo crime de tráfico de influências na forma continuada a dois anos de prisão, num cúmulo jurídico de cinco anos, considerando que o objectivo era atingir o pai, o ex-presidente José Eduardo dos Santos.

“Usar-se os filhos para fazer mal ao pai politicamente mais forte que hoje escolhem como adversário político, mas por sinal tudo lhes deu… que cobardia”, afirmou numa mensagem escrita enviada à Lusa.

Para a empresária e ex-deputada do MPLA, que lançou recentemente o projecto digital “Lifestyle em português” e se assume actualmente como influenciadora digital, o facto de o tribunal não ter validado a carta onde o antigo chefe de Estado confirmava ter dado ordem, por escrito, para a transferência irregular dos 500 milhões de dólares que foi alvo do processo, é “uma vergonha”.

“Se o antigo presidente disse que foi ele que ordenou [a transferência] então por que foi ‘Zenu’ o condenado?” – questionou.

Segundo Tchizé dos Santos, se o tribunal tinha dúvidas sobre a carta deveria aguardar “até 2022 e nessa altura chamaria o antigo presidente”, que goza de imunidade.

O ex-presidente de Angola afirmou ter orientado o antigo governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Valter Filipe, outro dos arguidos do processo, relativamente à transferência, garantindo que tudo foi feito no interesse público, mas o Ministério Público levantou dúvidas  sobre a autenticidade da carta que José Eduardo dos Santos remeteu ao Tribunal Supremo de Angola.

“Não faz sentido recusar declarações do ex-Presidente da República (PR) sobre matérias de decisão sua”, considerou Tchizé dos Santos.

“Espero que se corrijam os factos e se valide a carta do ex-PR, José Eduardo dos Santos, a bem da justiça, ou este julgamento não passou de um teatro com um fim encomendado”, declarou à Lusa a empresária.

Para Tchizé dos Santos, “só se pode concluir que havia já o objetivo de condenar o filho para perseguir o pai, politicamente mais forte”, considerando que está em causa “uma violação grosseira” dos direitos humanos e da Constituição da República de Angola.

O Tribunal Supremo de Angola condenou hoje os quatro arguidos do caso “500 milhões”, entre os quais ‘Zenu‘, ex-presidente do Fundo Soberano de Angola e filho do antigo presidente angolano, a penas de prisão entre 5 e oito anos por crimes de burla e defraudação, peculato e tráfico de influências.

Por Lusa com Correio da Kianda 

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Mark Jinx

    28/10/2021 at 12:47 pm

    Basicamente, e deveras incrivel o facto de ela mesma ser filha de quem foi o maior artifice de actos de intimidacao, mandatario de assassinatos e limpeza a potenciais adversarios, tanto no interior do partido, como na propria oposicao. Um dos maiores ladroes que o mundo alguma vez havera de conhecer. E a historia vai-se encarregar disso. Teremos nao muito distante, livros com provas documentadas do estou agui agora a dizer. Ha ja publicacoes com provas a que as pessoas atentas podem ter acesso, a nao serem tao obtusas nas conclucoes, quando o assunto de que se fala seja Angola, que de tao destruida, o nome incontornavel a se mencionar ser o de Jose Eduardo Dos Santos e o MPLA. Para mim se o MPLA cumprisse os acordos de Alvor, nada disso estaria a acontecer. Tudo isso e culpa do MPLA. A FNLA e UNITA so reagiram a traicao do Partido dos Camaradas. Mas, numa coisa ela tem razao, mas devia ter a mesma coragem ao referir-se tambem ao seu pai quando o mesmo ainda era o presidente de Angola. Devia mais e calar-se para sempre e viver sua vida com os milhoes que beneficiou de contractos sem concursos publicos de seu pai. viva sua vida, pois nao tem moral para falar do que seja, contra quem quer que seja. Cale-se!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas