Connect with us

Politica

UNITA “não consegue lidar com as diferenças”, diz Aniceto Cunha

Published

on

O antigo analista político do programa “Angola e mundo em 7 dias”, da rádio Despertar, Aniceto Cunha, acusou a UNITA de ser um partido político “pequeno” no sentido da participação democrática.

O actual director do gabinete do administrador do distrito do Sambizanga fez esta afirmação no final do debate realizado no passado sábado, 29, pelo Movimento dos Estudantes de Angola (MEA), que abordou “o desemprego como factor de instabilidade, causas e soluções”.

Aniceto Cunha, em entrevista ao Correio da Kianda, repudiou a atitude da direcção da estação radiofónica ligada ao partido UNITA, em excluí-lo dentre os convidados do painel de debates do programa que analisa factos políticos nacionais e internacionais e vai ao ar todos os domingos, das 12h às 15h,  onde representava o partido no poder (MPLA) – retirado sem justifição à direcção do seu partido que o indicou.

“Fui indicado pela direcção central do meu partido, volvido três ou dois meses, fomos excluídos pela direcção da rádio sem qualquer explicação prévia”, disse.

Aniceto entende que a “atitude da direcção da rádio Despertar demonstra o quanto o partido UNITA é “pequeno, no sentido de participação democrática”, disse e acrecentou que, para um partido que reclama da inclusão não consegue lidar com diferenças”, pela forma de pensar e agir, o jovem, pensa que “é extremamente negativo para Angola que queremos”.

O político assegura que a UNITA não conseguiu reagir à presença de um representante do MPLA entre os convidados, “a teoria do espaço vazio e sem contraditório deixa o debate menos interessante, nós ocupamos o lugar que ele sempre dizia que era nosso, e, portanto, eles não conseguiram gerir ou aceitar o pensamento diferente”.

Durante a entrevista, Cunha fez saber que o seu partido está a aguardar o convite da direcção da rádio Despertar para indicar um outro quadro para representar o partido dos camaradas.

“O interesse e abertura que hoje o MPLA tem, não há mal algum, o partido tem vários quadros jovens com vastas experiências para nos representar”.