Conecte-se agora

Politica

UNITA na Huíla denuncia vandalização de seus símbolos

Redação

Publicados

on

unita na huíla denuncia vandalização de seus símbolos - UNITA HUILA - UNITA na Huíla denuncia vandalização de seus símbolos

O Secretário Provincial da UNITA na Huíla, Augusto Samuel, lamentou durante a Reunião Extraordinária do Comité Provincial, convocada para analisar e avaliar a situação política, económica, social e cultural da Província neste sábado 6 de Abril, a vandalização de Bandeiras do seu Partido nos Municípios de Quilengues, Matala e Jamba.

“Algumas situações que merecem a nossa atenção, como é o caso da vandalização da Bandeira do Partido na localidade do Ukali, município de Quilengues, acção protagonizada pelo soba local, a vandalização da bandeira do Partido, no Bairro Cahululu, no Município da Matala, a destruição das chapas do comité do Partido na Cabanas, município da Jamba, só para citar estes casos”, disse.

De forma cuidada e profunda o conclave avaliou o grau de preparação do Partido para fazer face aos próximos desafios, com destaque para as eleições autárquicas que se avizinham.

“Queremos saber como é que estamos em termos de preparação para a vitória nas próximas eleições autárquicas, previstas para 2020 e nas eleições gerais de 2022”, prosseguiu.

O político, disse estar preocupado com o facto de verificar ainda uma partidarização acentuada nas instituições públicas.

“Preocupa-nos também o facto de verificar-se ainda uma partidarização acentuada nas instituições públicas, por parte do Partido no poder, a exemplo do facto de uma boa parte das Administrações dos Bairros a cidade do Lubango, funcionar no mesmo espaço com os Comité do MPLA, ou seja não se sabe bem, se é a Administração Local que funciona no Comité do MPLA, ou é o Comité do MPLA, que funciona na Administração”

Augusto Samuel, adiantou ainda, que esta situação é tão grave, ao ponto de confundir o pacato cidadão, isto é, se perguntarmos à um cidadão comum, onde é que vai tratar o seu bilhete de identidade, ou uma declaração de residência, vai responder que é no comité, quer dizer, o cidadão é levado a confundir a Administração com o Comité do Partido no poder.

“Exortamos pois, o executivo a pôr fim esta fraude e libertar uma vez por todas, a Administração Pública, das amarras partidárias”.

De acordo com o dirigente, nos últimos tempos há uma tendência acentuada de responsáveis de várias instituições públicas impedirem o nosso Partido utilizar instalações públicas, como salas, anfiteatros e outros, para realização das suas actividades políticas, em alguns casos ingenuamente, os tais responsáveis, sugerem que se quisermos utilizar os tais espaços não podemos usar material de propaganda, no entanto, quando se trata do Partido no poder, até interrompem os serviços daqueles locais.

O também jurista, lembrou que esta atitude viola o princípio da igualdade de tratamento consagrado no artigo 17º, nº4 da Constituição da Republica, conjugado com o artigo 7º da Lei dos Partidos Políticos, ao consagrar que os partidos políticos têm direito à igualdade de tratamento por parte das entidades que exercem o poder público, nomeadamente a possibilidade de utilização de instalações públicas.

Segundo Augusto Samuel, não se percebe porque é que os indivíduos, detentores de cargos públicos, gestores de bens públicos, por isso, bens de nós todos, negam-se ceder salas de conferências para a UNITA, mesmo a título oneroso, invocando ordens superiores, cujo rosto da tal ordem superiores nunca aparece.

“Parece que apesar da dita abertura política trazida pelo executivo saído das eleições de 2017, estamos a cada que passa a voltar nos tempos da antiga senhora, os tempos da intolerância política. Aliás, não nos iludamos, foram sempre assim, dizem uma coisa, fazem outra, falam da democracia, mas praticam a ditadura, falam do diálogo, mas são alérgicos a opinião contrária”, fundamentou.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (247)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (16)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (61)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação