Connect with us

eleições

UNITA lidera petição da oposição de AKZ três mil milhões ao Presidente da República para campanha eleitoral

Published

on

Os partidos políticos na oposição em Angola estão a realizar uma petição, através da qual pedem ao Presidente da República, João Lourenço, atravês qual pedem que lhes sejam dados cerca de três mil milhões de Kwanzas para a campanha eleitoral visando o pleito de Agosto próximo. Fonte do Correio da Kianda revela que a UNITA, maior partido na oposição, lidera a subscrição.  

De acordo com uma fonte fidedigna ligada a um dos partidos políticos na oposição, que subscreveu a assinatura, a UNITA está a liderar uma campanha de recolha de assinatura das forças políticas do país, nomeadamente UNITA, FNLA, PRS, coligação CASA-CE e APN, com objectivo de remeterem ao presidente da República e do MPLA, João Lourenço, solicitando um montante de mais de três bilhões de kwanzas para ser atribuído aos partidos que poderão participar as eleições gerais de Agosto próximo.
A nossa fonte junto deste partido, fez saber que até antes da primeira quinzena de Abril, já estavam subscritas três formações política, nomeadamente a UNITA, CASA-CE e a APN, faltando na altura os partidos políticos FNLA e o PRS, que manifestaram também vontade de subscreverem ao pedido liderado pelo Galo Negro.
De acordo com o mesmo, a intenção da UNITA visa pedir ao Chefe de Estado um financiamento de cerca de três bilhões de Kwanzas, para que cada partido e coligação de partidos, potenciais concorrente às eleições gerais previstas para mês de Agosto deste ano, tenham condições de competir em pé de igualdade com o ‘partido-Estado’ (MPLA).




De recordar na última eleição realizada no país de 2017, o Estado Angolano, deu para cada partido e coligação concorrente, um financiamento no valor de um bilhão e quarenta milhões de Kwanzas.

Por outro lado, a CNE após eleição daquele ano, revelou que os partidos e coligação de partidos tiveram problemas em relação à gestão das finanças.
O financiamento dos partidos políticos em Angola é regulado por dois diplomas.  A lei nº 10/12, de 22 de Março, Lei de Financiamento dos Partidos Políticos, que contém disposições mais genéricas sobre a matéria, e a lei nº. 36/11, de 21 de Dezembro, Lei Orgânica sobre as Eleições Gerais (LOEG), com disposições específicas sobre o financiamento da campanha eleitoral.
Contacto com o Secretário Geral da UNITA, Álvaro Daniel Chikwamanga, não surtiu efeitos, pois aquele responsável político não atendeu às ligações telefónicas do Correio da Kianda.

 

Colunistas