Conecte-se agora

Opinião

Um olhar sobre o encontro do Presidente da República e líderes juvenis

Walter Ferreira

Publicados

on

um olhar sobre o encontro do presidente da república e líderes juvenis - Walter Ferreira - Um olhar sobre o encontro do Presidente da República e líderes juvenis

Este é o diagnóstico e o principal motivo de toda a descaracterização do Conselho Nacional da juventude, onde se deturpa a essência da participação plural de cidadania .

As questões levantadas pelos líderes juvenis foram repetidas nos encontros anteriores que por sinal o Conselho Nacional da juventude apresentou um memorando ao presidente da república, João Lourenço, e precisávamos saber o seu grau de exequibilidade.

Os problemas da juventude são os desafios da governação, as questões da habitação, emprego , só se podem resolver com um ministério da juventude com alcance estratégico, e é o órgão do executivo que por excelência tem esta responsabilidade política . Não se ouviu nada sobre a suposta ” roubalheira ” das residências que não foram destinadas as organizações juvenis e que estiveram na gestão do Conselho nacional da juventude. É uma questão que descredibiliza a própria instituição e deixa a sua autoridade beliscada para em nome do estado advogar os interesses da juventude.

Estes encontros só servem se forem vinculativos e não apenas de consulta pública.

O chefe de estado, João Lourenço deve em nota de sugestão, criar um gabinete de assessoria a toda política social da juventude, este sim seria com vocação o modelo de interação, reflexão, e produção de pareceres de política  juvenil de Estado. Os movimentos sociais de participação juvenil são abrangentes, criaram hoje a consciência colectiva de reivindicação de direitos. Estes direitos devem ser captados por um paradigma que reparte a visão institucional da juventude e a visão real.

O Conselho Nacional da juventude não defende as causas da cidadania, por ter um excesso de penetração ideológica e não facilita a ligação com os movimentos juvenis alternativos e directamente defender e regular a transversalidade das soluções. Para a plataforma juvenil para a cidadania , discutir o dia 14 de abril é contraproducente, o problema real não reside neste aspecto. Se é uma clivagem ela é tão somente de natureza partidária por se defenderem os patronos da juventude dos partidos políticos , através das origens de percurso dos mesmo.

Séria razoável dizermos que defem ser os líderes juvenis dos partidos políticos a se entenderem sobre a melhor data da juventude e não se fazer perceber ou até influenciar como sendo um assunto transversal da juventude .

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (248)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (16)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (61)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação