Connect with us

Politica

“Um milhão de crianças ficam foram do sistema de ensino todos os anos” –  Luísa Grilo

Published

on

A ministra da Educação, Luísa Grilo, disse nesta terça-feira, 14, durante o Café CIPRA, que todos os anos cerca de 900 mil a um milhão de crianças ficam fora do sistema de ensino em Angola.

De acordo com a governante, que falava durante o tradicional encontro de governantes com jornalistas no Centro de Imprensa da Presidência da República, denominado Café CIPRA, revelou que o número de crianças que todos os anos ficam fora do sistema de ensino, por falta de salas de aulas, varia entre 900 mil e um milhão.

A ministra disse que o governo tem investido no sector, construindo todos os anos 10 a 15 novas escolas, que entram em funcionamento, com cerca de 900 mil novos alunos na primeira classe, mas que não tem sido suficiente para atender a necessidade.

No entender de Luísa Grilo, o problema deve-se as altas taxas de natalidade e de imigração ilegal no país.

“É uma situação muito difícil. Por mais escolas que se constroem, vai ficando muito difícil”, sublinhou.

Na reação, o Presidente do Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA), Francisco Teixeira, considera como “falta de atenção do governo”, o facto de não poder incluir no sistema de ensino esse número de crianças todos os anos.

No entender daquele líder associativo estudantil, com este número de crianças fora do sistema, “o governo não pode construir apenas 15 escolas, e depois gastar altas somas de dinheiro na compra de carros de luxo”.

Teixeira, que falava nesta quarta-feira à Emissora Católica de Angola, referiu mesmo que “o governo devia investir com seriedade na educação”.

A olhar para os números, Francisco Teixeira recorreu a calculadora para dizer que nos próximos cinco anos o país terá cerca de 15 milhões de crianças fora do sistema, a julgar pelas actuais oito milhões.

O Presidente do MEA não deixou também de tecer críticas ao governo pelo facto de as crianças entrarem no sistema de ensino a partir da primeira classe, quando o ideal seria começar pelo jardim de infância.