Connect with us

Mundo

Primeiro-ministro do Paquistão sofre atentado e sobrevive

Published

on

O primeiro-ministro do Paquistão, Yusuf Raza Gillani, escapou ileso a um atentado nesta quarta-feira, 3, segundo um porta-voz do governo daquele país. O comboio em que estava o seu carro foi atingido várias vezes por tiros, na cidade de Rawalpindi, perto de Islamabad.

“Pela graça de Alá, o primeiro-ministro está são e salvo”, declarou o porta-voz, Zahid Bashir. “Tiros foram disparados perto do comboio do primeiro-ministro, duas balas atingiram as janelas do veículo blindado em que ele estava”, acrescentou.

A polícia paquistanesa negou, em entrevista à agência de notícias France Presse, que o premiê estivesse no carro alvejado no atentado.

O ataque aconteceu na cidade de Rawalpindi, perto de Islamabad, três dias antes das eleições presidenciais de sábado no Paquistão.

Em comunicado, o escritório do primeiro-ministro afirmou que, “dos vários disparos de um franco-atirador contra o veículo do primeiro-ministro, dois atingiram a janela do lado do motorista (o direito, no Paquistão)”.

Segundo a nota, “devido às fortes medidas de segurança” do comboio em que viajava o primeiro-ministro, todas os ocupantes “saíram ilesos”.

Nas imagens divulgadas pela televisão estatal, é possível ver as marcas de duas balas na janela direita da parte dianteira do automóvel.

Os talibãs paquistaneses tinham ameaçado recentemente cometer um grande atentado na capital, mas, por enquanto, nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

O governo ordenou o início de uma investigação de alto nível para esclarecer o ocorrido, e as forças de segurança estão trabalhando para encontrar os culpados, segundo o comunicado.

Gilani é um membro de alto escalão do partido da ex-premiê Benazir Bhutto, assassinada em um atentado suicida em 27 de Dezembro quando fazia campanha para as eleições gerais do país. O governo culpou militantes ligados à al-Qaeda pelo assassinato.

O partido de Bhutto venceu as eleições realizadas em 18 de Fevereiro e Gilani tornou-se primeiro-ministro de um governo de coalizão.

Com agências internacionais