Connect with us

Sociedade

Uíge: professores manifestam-se para exigir subsídios de exame e de férias

Published

on

Professores e funcionários administrativos das escolas públicas da província do Uíge acusam a direcção provincial de Educação de desviar os seus subsídios de exames e de férias dos anos de 2019 a 2021, após o Ministério das Finanças ter já disponibilizado os valores.

Um dos organizadores da referida marcha, o professor Kinkani Pedro Manuel Ngango, disse, ao nosso jornal, que os professores e funcionários administrativos das escolas do Uíge vão protestar esta quinta-feira, 01, contra a direcção da educação, acusando de ignorar os problemas dos homens do giz.

Os mais de 200 professores inscritos para participarem na marcha vão percorrer todo o centro da cidade, propriamente da rotunda do Songo, com destino defronte à Direcção Provincial da Educação. Segundo Kinkani Pedro Manuel Ngango, a questão dos subsídios de exames e de férias que os professores vêm reclamando, só vem levantar outros vários problemas que enfrentam a classe da educação naquela província, entre elas os cortes sem justificação dos salários dos professores que ingressaram no ano de 2017, e para os professores que ingressaram no ano de 2018, começaram a sofrer um corte salarial na ordem de 40%, sem também nenhuma justificação.

Segundo uma fonte do Correio da Kianda, junto da direcção da Educação do Uíge, revelou que os professores que examinaram, em 2019, já receberam os seus ordenados e que os descontos na ordem dos 40 por cento que os professores reclamam, de acordo com a mesma fonte, os cortes foram feitos para cobrir ou reajustar um pagamento que haviam feito aos mesmo docentes. Justificação que os professores rejeitam e asseguram que o dinheiro não caiu na conta de nenhum professor.

O coordenador da marcha asseverou que por estes e outros elementos que os professores de todas as classes de subsistema de ensino do Uíge irão demostrar na próxima quinta-feira, 01, os seus descontentamentos com protestos e continuam a mobilizar mais professores para aderirem a causa.