Connect with us

Sociedade

Trabalhadores demarcam-se da marcha do 1º de Maio

Published

on

O secretário geral do Sindicato Nacional dos Professores e Trabalhadores de Ensino não Universitário, Zacarias Jeremias, disse que os trabalhadores vão demarcar das marchas que visam comemorar o dia 1º de Maio.

Zacarias Jeremias avança que “os trabalhadores angolanos não estão motivados para comemorar tal data, por conta da fase da greve que se vive, além das ameaças que tem sofrido por parte das entidades empregadoras”.

De recordar que as Centrais Sindicais reafirmaram na manhã desta quinta-feira, 18, o início da segunda fase da greve geral, a partir da próxima semana com o lema “A fome não é uma escolha”.

Entretanto, o Executivo, através do Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), diz estar aberto ao diálogo.

Por sua vez, o presidente do Sindicato dos Médicos Angolanos, Adriano Manuel, considera que as detenções e repreensões por parte da Polícia Nacional, que insiste em intimidar os grevistas, não vão inibir os trabalhadores de participarem na segunda fase da greve.

Recordar que no dia 03 do mês em curso, o Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social voltou a chamar as centrais sindicais, duas semanas depois da primeira fase da greve, para juntos negociarem as exigências dos funcionários públicos e tentarem chegar a um entendimento que trave as futuras paralisações gerais, mas tal entendimento não ocorreu.

Em causa está, dentre outras reivindicações, o ajustamento do salário da função pública em 250 por cento, e um ajustamento do salário mínimo nacional, inicialmente na ordem dos 245 mil kwanzas, agora reduzido para 100 mil kwanzas.