Connect with us

Economia

Trabalhadores dos aeroportos do país em greve a partir de 4 de Janeiro

Published

on

Os trabalhadores da Empresa Nacional de Navegação Aérea (ENNA), que assegura a operacionalidade dos recintos aeroportuários do país, vão entrar em greve, por tempo indeterminado, a partir da quarta-feira, 04 de Janeiro, em exigência a melhoria das condições laborais, sobre as quais o sindicato diz haver insatisfação generalizada.

A declaração da greve consta de uma nota de imprensa, assinada pelo presidente do Sindicato Nacional Independente dos Trabalhadores Aeronáuticos e dos Aeroportos, Sebastião Adriano de Lemos, a que o Correio da Kianda teve acesso neste fim-de-semana.

De acordo com a nota de imprensa a decisão da greve resulta da deliberação da Assembleia de Trabalhadores daquela empresa pública, realizada a 28 de Dezembro último, em Luanda.

“A declaração da greve fundamenta-se na insatisfação generalizada dos Trabalhadores, apresentadas em Caderno Reivindicativo (CR) submetido à ENNA-EP a 23 de Maio de 2022 e tem por objectivo a paralisação da prestação do trabalho habitualmente prestado pelos trabalhadores como forma de garantir a satisfação das legítimas reivindicações dos trabalhadores, constantes do referido CR, nomeadamente relativas às condições sociais, de trabalho e económicas dos trabalhadores da ENNA-EP”, afirmam os sindicalistas no documento.

Segundo aquele sindicato, a greve vai abranger “todas as categorias das áreas operacionais dos serviços de Comunicação, Navegação e Vigilância (CNS); dos serviços de Informação de Aeronáutica (AIS), bem como das áreas de serviços técnicos, administrativos e de apoio à gestão da ENNA” em todo o território nacional.

Entretanto, o sindicato garante que constituiu equipas de piquetes para assegurar a prestação dos serviços mínimos, prevenindo desta forma, eventuais transtornos e perturbações das actividades da empresa.

Lembrar que o sector da aviação comercial em Angola tem vindo a observar, nos últimos meses constantes greves de trabalhadores, sendo que, pela primeira vez na história do país, os pilotos da TAAG – companhia nacional de bandeira, marcharam em Luanda, em Outubro de 2022, contra as políticas de gestão do actual Conselho de Administração, os trabalhadores da empresa Sociedade Gestora de Aeroportos (SGA) também fizeram greve.