Connect with us

Mundo

“Teremos melhores comunicações daqui para frente”, diz Blinken sobre visita a Pequim

Published

on

A China e os Estados Unidos concordaram nesta segunda-feira, 19,  em estabilizar a sua intensa rivalidade para que não se transforme em conflito, mas falharam em produzir qualquer grande avanço durante uma rara visita a Pequim do secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken.

O presidente chinês, Xi Jinping, saudou o “progresso” depois de apertar a mão de Blinken no Grande Salão do Povo, um local geralmente reservado para receber chefes de Estado.

O principal diplomata dos EUA e Xi enfatizaram a importância de ter um relacionamento mais estável, pois qualquer conflito entre as duas maiores economias do mundo criaria perturbações globais.

No entanto, a China se recusou a aceitar a oferta de Washington de retomar os canais de comunicação entre militares e citou as sanções dos EUA como o obstáculo. Os dois lados pareciam entrincheirados em suas posições sobre tudo, de Taiwan ao comércio, incluindo acções dos EUA em relação à indústria de chips da China, direitos humanos e a guerra da Rússia contra a Ucrânia.

A Casa Branca chamou a reunião de “um bom passo à frente”. A mensagem abrangente de Blinken foi enfatizar a importância de manter canais abertos de comunicação para reduzir os riscos, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

Em uma das trocas mais significativas entre EUA e China desde que o presidente Joe Biden assumiu o cargo, não ficou claro como eles superariam as suas diferenças, mas concordaram em continuar os seus compromissos diplomáticos com mais visitas nas próximas semanas e meses.

Em entrevista colectiva encerrando sua viagem de dois dias a Pequim, a primeira de um secretário de Estado dos EUA desde 2018, Blinken disse que Washington alcançou os seus objectivos para a viagem, incluindo levantar as suas preocupações directamente, tentando estabelecer canais de diálogo e explorar áreas de cooperação. A viagem foi adiada em Fevereiro depois que um suposto balão espião chinês sobrevoou o espaço aéreo dos Estados Unidos.

“A relação estava em um ponto de instabilidade e ambos os lados reconheceram a necessidade de trabalhar para estabilizá-la”, disse Blinken antes de deixar o país.

“Mas o progresso é difícil. Leva tempo. E não é o produto de uma visita, uma viagem, uma conversa. Minha esperança e expectativa é: teremos melhores comunicações, melhor engajamento daqui para frente.”

Com agências internacionais