Connect with us

Destaque

Tchizé dos Santos quer liderar JMPLA

Published

on

Nos círculos privados, Welwitschea “Tchizé” dos Santos, já manifestou este desejo.

As evidencias notam-se também pelas suas actuações, sejam elas dentro ou fora do partido e a ligação que vai tendo com a maioria dos jovens do MPLA.

A menos de um mês, através das redes sociais a também deputada do MPLA,  Tchizé  dos Santos fez, fortes criticas contra  supostas intrigas no seio da JMPLA reprovando também a conduta de jovens do seu partido que fazem colagens a figuras de destaques como ela e outras camaradas para alcançarem sucesso partidário.

A parlamentar fez estes pronunciamento por intermédio de áudios gravados e colocados num fórum  do  WhatsApp, ligado ao JMPLA.

As  motivações das  reações de Tchizé dos Santos  foi em função do surgimento de acusações de que ela estaria a dar abertura e promoção a um grupo de supostos infiltrados  no seio do MPLA, provenientes   da CASA-CE, de Abel Chivukuvuku.

 O destaque, nas acusações, vai  em torno de um  militante   Celio Mauro Benttencourt  que até 2012 estava filiado na CASA-CE e que agora tem se destacado a pregar o  radicalismo nas redes sociais, como forma de se firmar no partido que suporta o regime de José Eduardo dos Santos.

Tchizé dos Santos   acusa círculos ligados a JMPLA de serem responsáveis na promoção destas acusações contra os militantes vindos da CASA-CE e que agora militam no seu “TEA CLUB”.  Por outro lado, numa linguagem revertida de arrogância, a mesma lança ameaças contra o militante que ousar vazar os seus áudios para fora do fórum da JMPLA.

“Se este áudio vazar para fora do grupo, eu irei até ao fim do mundo para identificar quem fez,  peço que isso se mantém em fórum partidário”, advertiu a deputada nos áudios que o Correio da Kianda teve acesso  e que  partilha com os internautas.

Tchizé dos Santos está nas nas fileiras do MPLA desde os cinco anos de idade, onde entrou para a OPA, participou em vários acampamentos pioneiros. A ideologia do MPLA foi lhe incutida desde muito pequenina, passou por uma eleição no MPLA na base, pela primeira vez, em 2004, entrou para a OMA [Organização da Mulher Angolana] da Maianga.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas