Connect with us

Sociedade

Surto de conjuntivite atinge três províncias

Published

on

O surto de conjuntivite dos tipos hemorrágica e epidérmica, ambas altamente contagiosas, continuam a preocupar as autoridades sanitárias com avanço de casos em Luanda, Bengo e Uíge.

A informação foi avançada pela directora do Instituto Nacional Oftalmológico de Angola, Luísa Paiva, que falava à imprensa. Disse que aquela direcção está a atender, em média, oito a dez casos de conjuntivite por dia. Só no sábado passado, sublinhou, foram registados 18 casos de conjuntivite hemorrágica.

Luísa Paiva avançou que nas demais unidades de saúde a situação não foge à regra, pois estão a ser diagnosticados vários casos de conjuntivite, tanto hemorrágicas como epidérmicas.

Entretanto, a médica oftalmologista Elsa de Deus descreveu os sintomas comuns ou ligados a conjuntivite, como o mal-estar e a febre.

A especialista apela as famílias e a sociedade em geral sobre os cuidados a ter face ao surto de conjuntivite, que passa por higienização constante, evitar contacto com outras pessoas, entre outras medidas.

Entretanto, a educadora social Francelina Tomás defende envolvimento de todos na prevenção para que não se transformar em endemia.

Francelina Tomás apela as autoridades sanitárias a promover campanhas de prevenção junto das comunidades, e dos órgãos de comunicação social no sentido de divulgar a existência da doença e das medidas preventivas, para travar a sua propagação.

A educadora social manifesta certa preocupação  com a falta de água corrente em certas zonas do país, mas, entende que essa luta é multissectorial.

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.