Connect with us

Economia

Subida de preços de materiais de construção torna quase impossível sonho da casa própria

Published

on

Vários cidadãos em Luanda foram obrigados a paralisar as suas obras devido a subida de preços de materiais de construção nos estabelecimentos comerciais e mercados informais.

O disparo dos preços de materiais de construção compromete o sonho de quem quer ter uma casa condigna em Luanda.

Nos dias de hoje, quem for a uma loja pode gastar 300 mil kwanzas para adquirir uma tonelada de ferro, que anteriormente rondava os 200 mil kwanzas. Já no mercado informal, um varão de dez metros está a custar 50 mil kwanzas, antes da pandemia custava Kz 20 mil.

Actualmente, um rolo de arame está a custar doze mil kwanzas, pregos rondam os Kz 15 mil, um saco de cimento está no valor de 2500 kwanzas, antes custava 1800, entre outros materiais que subiram.

De acordo com a arquitecta Ana Simão, o tamanho e a preferência definem o custo de uma casa.

Por sua vez, o arquitecto Armando de Fátima Camundo garantiu que na construção de casas, o preço ou o custo depende da quantidade de materiais e o custo da compra de cada material ou da venda de cada material que vai ser empregue na obra.

Armando Camundo fez saber que anteriormente para construir uma casa de três quartos, uma sala, uma cozinha e um quarto de banho ocupando uma área dez por dez metros, poderia se gastar dois milhões de kwanzas.

“Actualmente, com dois milhões de kwanzas não se constrói uma casa porque os materiais de construção estão muito caros”, reclamou o arquitecto.

“Para construir uma casa básica, nesta época, ronda mais de sete milhões de kwanzas”, disse Armando Camundo.

Preços dobraram

Para o mestre de pedreiro, João Afonso, para erguer uma casa ocupando um espaço de dez por quinze metros com quintal, antes poderia custar 20 milhões de kwanzas, nos dias de hoje, pode vir custar o dobro.

Numa ronda efectuada por vários bairros da cidade capital, pelo Correio da Kianda, verificou-se que muitas obras que estão paralisadas por alegada subida de preços de materiais de construção.

Os entrevistados alegam que tiveram que paralisar as suas obras por causa do aumento dos preços de materiais de construção nos mercados.

“Estava a construir a minha casa, mas com a subida de preços de materiais de construção fui forçado a paralisar com o trabalho da obra”, contou dona Maria das Dores.

João Paulo disse ao Correio da Kianda que pretendia terminar a sua obra este ano, mas está muito difícil com a subida de preços de materiais de construção, não entende porque “tudo no nosso país sobe, menos o salário”.

Por outro lado, Márcia José acrescentou que nesta fase da pandemia de covid-19, com elevado custo de vida, é muito difícil para algumas pessoas conseguirem construir uma casa condigna, com os baixos salários e materiais caros.

O nosso interlocutor, de 33 anos de idade, que responde pelo nome de Marcos Afonso disse que, apesar do elevado preço dos materiais de construção, conseguiu terminar a construção da sua residência recentemente, mas reconhece que muitos não estão a conseguir realizar o sonho de ter a sua própria residência.

Por Nzinga Manuel

Colunistas