Conecte-se agora

Politica

Software português para as Forças Armadas Angolanas custa mais de 53 milhões de euros

Um sindicato bancário vai financiar, com mais de 53 milhões de euros, o desenvolvimento de uma solução informática para as Forças Armadas Angolanas, a cargo do grupo português Reditus, segundo despacho Presidencial n.º 187/18, de 27 de Dezembro de 2018.

Redação

Publicados

on

software português para as forças armadas angolanas custa mais de 53 milhões de euros - militares Angola - Software português para as Forças Armadas Angolanas custa mais de 53 milhões de euros

De acordo com o despacho, em causa está a terceira fase do projeto para Implantação de Soluções do Centro de Dados e de uma Plataforma de Software, contratado em 2017 pelo Governo angolano à empresa ALL2IT, do grupo português Reditus.

Trata-se de um contrato inscrito na linha de seguro de crédito à exportação da Companhia de Seguro de Créditos (COSEC) de Portugal, no valor de 62,7 milhões de euros, envolvendo um projeto de comunicações fixas, voz e dados, assim como o desenvolvimento de um centro de dados e de plataforma de software para o Ministério da Defesa de Angola.

No despacho deste mês, o Presidente angolano, João Lourenço, autoriza o financiamento deste projeto público pelo sindicato bancário constituído pelo Banco Angolano de Investimentos (BAI) Europa, BCP e Banco L. J. Carregosa, no valor de global, equivalente em kwanzas, de 53,295 milhões de euros (85% do valor total).

A ALL2IT é uma empresa do grupo português Reditus, que por sua vez tem negócios, em África, além de Angola, na Guiné Equatorial e em Moçambique. De acordo com informação da Reditus, o empresário Miguel Pais do Amaral detém 24,74% do capital social do grupo tecnológico, seguido do BCP (16,51%) e da família Moreira Rato (10,12%), entre outos acionistas.

No relatório e contas de 2017, a Reditus refere que este contrato foi incluído naquele mesmo ano no “plafond protocolado para cobertura de riscos de crédito à exportação de bens, equipamentos serviços de origem portuguesa para a República de Angola”.

“Permitindo assim receber em euros em Portugal o montante equivalente a 85% do montante atrás mencionado, sendo de destacar os principais passos do processo”, lê-se no documento, acrescentando que este montante “refere-se a um projeto de serviços de tecnologia e software”, que foi “considerado estratégico” pelo Governo angolano.

“A COSEC notificou oficialmente a aceitação por parte do Ministério das Finanças de Portugal quanto à inclusão do referido projeto na linha protocolada. A Reditus apresentou um sindicato bancário constituído por bancos portugueses para negociar os termos e condições do financiamento, tendo estes elaborado uma proposta de financiamento e respetiva ficha técnica a qual foi negociada entre as partes e aprovada final de julho de 2017”, lê-se ainda.

Desde fevereiro deste ano que a proposta de financiamento para este sindicato bancário estava dependente do aval do Governo angolano, agora concretizado.

 

C/ Lusa

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (205)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (50)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD