Connect with us

Diversos

“Situação com a Finlândia é radicalmente diferente da situação com a Ucrânia” – Dmitry Peskov

Published

on

A adesão da Finlândia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) vai afectar as relações bilaterais, sendo que a Aliança Atlântica é uma estrutura hostil à Rússia, disse o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov.

Nesta terça-feira, 4, o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, assinou o documento de adesão do país à Organização do Tratado do Atlântico Norte, e Helsinque oficialmente se tornou 31º membro da Aliança Atlântica.

“É claro que isto não pode deixar de afectar a natureza das relações bilaterais com aqueles Estados que se tornam novos membros da aliança. A aliança é uma estrutura não amigável e em muitos aspectos hostil à Rússia”, afirmou Peskov.

Entretanto, enfatizou que a adesão da Finlândia à OTAN é muito diferente da situação da Ucrânia, “portanto, não há praticamente nenhuma comparação aqui”.

“A situação com a Finlândia, é claro, é radicalmente diferente da situação com a Ucrânia, porque, em primeiro lugar, a Finlândia nunca se tornou anti-Rússia, e não tivemos nenhuma disputa com a Finlândia. Com a Ucrânia, a situação é diametralmente oposta e potencialmente muito mais perigosa. Isto, de fato, ditou a necessidade da operação militar especial e a realização de todas as metas que tinham sido estabelecidas como resultado”, explicou Peskov.

Por sua parte, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que a adesão da Finlândia à OTAN vai afectar negativamente as relações entre Moscou e Helsinque.

“Estamos convencidos de que este passo precipitado das autoridades finlandesas, tomado sem a devida consideração da opinião pública, organizando um referendo e analisando minuciosamente as consequências da adesão à OTAN, será decidido pela história. A adesão da Finlândia à OTAN não pode deixar de ter um impacto negativo nas relações bilaterais russo-finlandesas”, declarou o ministério.

Foi enfatizado que a Rússia, respondendo ao movimento da Finlândia, “será forçada a tomar contramedidas, tanto técnico-militar quanto de outra natureza”, a fim de conter ameaças à segurança nacional.

O Ministério das Relações Exteriores russo também salientou que a linha de contacto da OTAN com as fronteiras da Rússia mais do que dobrou e, como resultado, “aconteceu uma mudança radical na situação na região do Norte da Europa, anteriormente uma das mais estáveis do mundo”.

“A Aliança Atlântica deu mais um passo para se aproximar do território russo”, enfatizou o ministério.

Com agências internacionais 

Bandeira da Finlândia erguida em Bruxelas como 31º Estado-membro da NATO

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *