Conecte-se agora

País

Sindika Dokolo lança movimento para “salvar a RDC”, mas descarta ambições políticas

Redação

Publicados

on

- unnamed - Sindika Dokolo lança movimento para “salvar a RDC”, mas descarta ambições políticas

Através de um vídeo com cerca de dois minutos, publicado ontem, 9, no YouTube, e partilhado no Facebook e Twitter, Sindika Dokolo apresenta, com vários concidadãos, o novo movimento cívico da República Democrática do Congo (RDC), seu país natal.

Intitulado “Les Congolais Debout” – que se pode traduzir por “Os Congoloses de Pé” -, o projecto define-se como apolítico e defende a alternância do poder na RDC, ainda em 2017, como forma de “salvar” o país.

“Se, tal como nós, pensa que a RDC está a sofrer com as traições dos seus dirigentes, torne-se um Congolês de pé”, exorta, no vídeo, o genro do Presidente José Eduardo dos Santos.

De acordo com a mensagem, a iniciativa tem um carácter não-violento, e visa despertar a consciência colectiva dos congoleses.

Para isso, antecipa-se no apelo, serão organizadas manifestações pacíficas e vigílias em Kinshasa.

A par da mobilização no terreno, o movimento aposta numa plataforma online onde os apoiantes se podem inscrever, criando-se uma comunidade virtual em defesa da mudança de regime da RDC.

O movimento está aberto a membros de todos os partidos políticos e a todas as organizações da sociedade civil, reforçando a oposição a Joseph Kabila por parte de Sindika Dokolo, que, no entanto, descarta quaisquer ambições políticas.

“A minha motivação não é posicionar-me no xadrez político congolês. Há políticos e candidatos à Presidência suficientes”, disse o empresário em entrevista à edição Agosto-Setembro da revista Afrique Magazine.

À mesma publicação, Dokolo defendeu que “o que falta no país é a tomada de consciência colectiva de que é preciso defender as conquistas democráticas” perante Kabila, que acusa de ter tomado o gosto ao poder, ao ponto de se manter pela força, instrumentalizando a justiça e os serviços de segurança.

“A partir do momento em que as instituições de um país se tornam reféns dos seus dirigentes, cabe a cada cidadão agir segundo a sua consciência”, sublinhou o empresário, em protesto contra o caos que se instalou na RDC.

Para Sindika Dokolo, a liderança de Kabila “criou uma espiral de violência que só acabará com a sua saída”.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD