Connect with us

Mundo

Senegal proíbe transporte público à noite após acidente que fez 40 mortos

Published

on

O Governo do Senegal proibiu, a partir desta terça-feira, 10, a circulação de transportes públicos de passageiros à noite, depois de pelo menos 40 pessoas terem morrido e quase 80 terem ficado feridas numa colisão entre dois autocarros, na madrugada do último domingo, 8, perto da cidade de Kaffrine, a 250 quilômetros da capital Dakar.

“Exorto o Ministério do Interior e o Ministério dos Transportes a emitir, no prazo de 72 horas, um decreto interministerial que proíba o acesso de veículos de transporte público de passageiros às vias interurbanas entre as 23:00 locais e as 5:00″, disse o primeiro-ministro senegalês, Amadou Ba, em declarações divulgadas hoje pela imprensa local.

“Seremos intransigentes com aqueles que infringirem as regras emanadas para garantir a integridade física dos nossos concidadãos (…) Isto deve ser remediado”, afirmou o primeiro-ministro no final do encontro, segundo a Agência Senegalesa de Imprensa (APS).

“Digo isso com absoluta determinação, as ações seguirão e não devem ser adiadas ou comprometidas”, acrescentou.

As outras medidas anunciadas incluem a limitação da duração da operação a 10 anos para veículos de passageiros e 15 para mercadorias, um projeto para proibir a importação de pneus usados, ?e a velocidade máxima dos veículos que transportam passageiros e mercadorias deve ser de 90 quilómetros por hora.

No domingo, pelo menos 40 pessoas morreram e 78 ficaram feridas pelo choque de dois autocarros perto da cidade de Sikilo, na região de Kaffrine, a mais de 200 quilómetros a sudeste da capital, Dacar.

De acordo com informação do Ministério Público da República, a investigação preliminar da Polícia Judiciária indicou que, após o estouro de um pneu, um dos autocarros saiu da sua trajetória e colidiu frontalmente com o outro que vinha no sentido contrário.

Após o grave acidente, o Presidente senegalês, Macky Sall, decretou “luto nacional de três dias” a partir desta segunda-feira.

Colunistas