Connect with us

Mundo

Secretário-Geral da ONU exorta governos de todo o mundo a investirem na criação de empregos de qualidade

Published

on

 

 

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, exortou os governos de todo o mundo a investirem rapidamente e de forma significativa na criação de empregos de qualidade e no alargamento da proteção social para aqueles que não têm cobertura.

Guterres falava numa sessão de alto nível para discutir a iniciativa Aceleração Global de Empregos e Proteção Social para Transições Justas, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque, recentemente concluída.

Disse aos líderes para se concentrarem em soluções concretas para implementar a iniciativa e advertiu: “o caminho da inação leva ao colapso económico e à catástrofe climática, alargando as desigualdades e aumentando a agitação social. Isto pode deixar milhares de milhões de pessoas presas em ciclos viciosos de pobreza e miséria”.

A iniciativa, lançada no ano passado, reúne governos, instituições financeiras internacionais, sociedades civis, a ONU, e o setor privado para criar 400 milhões de novos e decentes empregos, especialmente nas economias verdes, de cuidados e digitais, e alargar a proteção social a mais de 4 mil milhões de pessoas atualmente sem cobertura.

A sessão foi também dirigida por vários líderes de todo o mundo, incluindo o Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, Dr. Akinwumi Adesina, o Presidente do Maláui, Lazarus Chakwera, a Vice-Presidente do Uganda, Jessica Alupo, e o Ministro do Planeamento e Desenvolvimento Económico do Egito, Hala El-Said.

O Secretário-Geral da ONU elogiou o Togo por proteger milhares dos seus cidadãos durante a pandemia de Covid-19, ao ter implantado “soluções digitais inovadoras para alargar a proteção social a populações de difícil acesso”.

Por seu turno, a África do Sul foi elogiada pelo lançamento da parceria Transição Energética Justa, sinalizando um passo importante na luta contra as alterações climáticas.

Na sua apresentação, o Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, Dr. Akinwumi Adesina, apoiou fortemente a iniciativa e falou sobre a resposta rápida do banco ao impacto da pandemia de Covid-19 através do lançamento de um mecanismo de 10 mil milhões de dólares que ajudou a fornecer proteção social a mais de 28 milhões de pessoas.

O banco também lançou em 2020 um título de dívida social de 3 mil milhões de dólares nos mercados globais de capitais, que na altura foi o mais elevado da história mundial.

“Mas isso não é suficiente”, reconheceu o Dr. Adesina, acrescentando: “Temos de reestruturar as nossas economias para sermos produtivos na educação, infraestruturas e energia, para garantir que temos setores produtivos que possam utilizar as competências das pessoas e absorver isso na economia”.

“No Banco Africano de Desenvolvimento adotámos uma abordagem proativa de empregos, empregos, empregos”, disse Adesina, exemplificando com o programa do Banco ‘Emprego para a Juventude Africana’, que foi lançado para criar 25 milhões de empregos até 2025. Disse que quase metade desses empregos já foram garantidos.

Para gerar mais empregos, Adesina citou setores como a agricultura, onde o banco está a investir 25 mil milhões de dólares na melhoria de zonas rurais e na transformação do setor num negócio.

No setor da energia, Adesina deu o exemplo da região do Sahel, onde “estamos a investir 20 mil milhões de dólares para construir 10.000 MW de eletricidade que irá fornecer energia para utilização produtiva e criar milhões de empregos”. Disse que estava na altura de África construir uma capacidade de fabrico de material polissilício que é utilizado para painéis solares “para que possamos criar muitos postos de trabalho verdes”.

A indústria criativa, especialmente a indústria cinematográfica da Nigéria, popularmente conhecida como Nollywood, é outra área que requer investimento significativo, dado o seu potencial para gerar 20 mil milhões de dólares de receitas e criar vinte milhões de postos de trabalho, disse Adesina.

A ONU espera que cada governo se comprometa com a iniciativa da Aceleração Global e os seus objetivos, através de iniciativas como o desenvolvimento de políticas nacionais e estratégias integradas para transições justas.

O Presidente do Maláui, Lazarus Chakwera, disse que dadas as restrições financeiras que o seu país enfrentava, a implementação da iniciativa exigiria o apoio de parceiros, doadores, instituições financeiras internacionais, e apoio político do sistema da ONU.

Ele disse que devido à sobreposição das crises da pandemia de Covid-19, das alterações climáticas e da guerra na Europa de Leste, o Maláui fica “a braços com a degradação das nossas notações de crédito soberano, levando a um endividamento mais caro e à intensificação dos riscos da dívida”.

O Presidente Chakwera disse que o seu país estava pronto para fazer parte do trabalho de pesquisa da iniciativa Aceleração Global.

A Vice-Presidente do Uganda, Jessica Alupo, disse que o seu governo iniciou esforços para aumentar os postos de trabalho para os jovens com menos de 30 anos do Uganda, que representam 75% da população do país.

“Estamos a aumentar o investimento no desenvolvimento de competências, apoiando as empresas sociais informais na transição para a economia formal e apoiando o setor privado na criação de empregos nas áreas-chave de crescimento, incluindo a oferta de incentivos aos investidores”.

A Ministra do Planeamento e Desenvolvimento Económico do Egito, Hala El-Said, citou várias iniciativas que o seu governo tinha lançado para mitigar o impacto das crises no povo do Egito.

“Estas incluem o aumento dos beneficiários do programa de transferência de dinheiro para atingir 5 milhões de famílias, para além de aumentar substancialmente as rações alimentares que beneficiam mais de 64 milhões de egípcios”, exemplificou.

“O governo embarcou num ambicioso programa, a Iniciativa Vida Decente, para renovar as comunidades rurais, e transformar a vida de mais de 50 milhões de egípcios em 4.500 aldeias, que constituem mais de metade da população total.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *