Connect with us

Mundo

Rússia: Governo americano pede a cidadãos que abandonem o país “de imediato”

Published

on

O governo americano, pediu esta quarta-feira, 28 de Setembro, aos cidadãos americanos a abandonar “de imediato” o território russo, apesar dos poucos voos comerciais disponiveis devido à invasão russa da Ucránia.

O apelo foi feito através da Embaixada dos Estados Unidos na Rússia, que emitiu hoje um novo alerta de segurança para os cidadãos norte-americanos, pedindo-lhes que deixem o país.

Em uma nota, a representação diplomática dos Estados Unidos da América (EUA) em Moscovo advertiu que “os voos comerciais são atualmente extremamente limitados, de modo que por vezes não há nenhum disponível”.
Todavia , a embaixada confirmou que as vias terrestres para sair do território russo ainda estão abertas.

“Se quiser sair da Rússia, deve fazer os preparativos necessários o mais rápido possível. A embaixada dos EUA está neste momento muito limitada na prestação de assistência aos cidadãos norte-americanos e as condições podem tornar-se cada vez mais limitadas”, Faz referência a nota informativa.

A representação diplomática alertou ainda que as autoridades russas poderão “começar a negar a dupla cidadania aos norte-americanos e o acesso à assistência consular para impedir a sua saída do país” após ter anunciado, no passado dia 21, a mobilização parcial.

“Os cidadãos norte-americanos não devem viajar para a Rússia e aqueles que residem no país ou em território russo devem partir de imediato”, disse a embaixada dos EUA na nota, no qual precisou que a representação diplomática irá fornecer todas as informações relevantes sobre as possibilidades de acesso aos países vizinhos.

Neste sentido, a embaixada recordou aos cidadãos norte-americanos que “a liberdade de expressão e o direito de reunião pacífica não estão garantidos na Rússia”, instando-os “a evitar protestos e a tirar fotografias das forças de segurança no âmbito de tais eventos”.

“As autoridades russas já prenderam cidadãos russos que participaram em manifestações”, concluí.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *