Connect with us

Mundo

Rússia diz que vai continuar operação na Ucrânia até atingir o seu objetivo

Published

on

A Rússia vai continuar a “operação militar especial” iniciada na Ucrânia no passado 24 de fevereiro até que “atinja os seus objetivos”, afirmou esta terça-feira o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu.

“O importante para nós é proteger a Federação de Rússia da ameaça militar criada pelo Ocidente, que tenta utilizar o povo ucraniano na luta contra o nosso país”, disse Shoigu, citado pela agência Interfax.

Shoigu acrescentou que os objetivos estipulados da Rússia consistem na “proteção da população de Donbass, assim como a desmilitarização e a desnazificação da Ucrânia”.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou na segunda-feira que a solução do conflito no país vizinho só seria possível se fossem levados em conta os “legítimos interesses da Rússia em matéria de segurança, incluindo a soberania da Crimeia”, a península anexada ilegalmente em 2014, e também mencionou a “desmilitarização e a desnazificação” da Ucrânia e o desejo pelo estatuto neutro do país vizinho relativamente à NATO.

O ministro da Defesa garantiu que, durante a chamada por Putin de “operação militar especial”, as Forças da Rússia “não ocupam território” ucraniano e adotam medidas para garantir “a vida e a segurança dos civis”.

O Escritório da ONU para os Direitos Humanos, no entanto, registou até ao momento 102 mortes de civis, além de 304 pessoas feridas, desde o começo do ataque, quatro dias atrás.

As autoridades da Ucrânia, por sua vez, indicam que a quantidade de vítimas que não são militares ou ligadas ao combate chegou a 352.

Ontem, representantes das duas antigas repúblicas soviéticas realizaram a primeira ronda de negociações para procurar um cessar-fogo, processo de diálogo que vai continuar nos próximos dias.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse ontem à noite que os ataques da Rússia ao seu país “não foram interrompidos nem durante as negociações de paz”.

O chefe de Estado também classificou como “crimes de guerra” os bombardeamentos contra Kharkiv, que afirmou ser “uma cidade pacífica”.

“Definitivamente, haverá um tribunal para esse crime. Um internacional. É uma violação de todas as convenções”, garantiu Zelensky numa declaração gravada em vídeo.

EFE