Conecte-se agora

Mundo

Ruanda proíbe produtos para clareamento da pele

A indústria de clareadores, muitos deles nocivos à saúde, é impulsionada pela crença de que a pele mais clara indica status social privilegiado

Redação

Publicados

on

ruanda proíbe produtos para clareamento da pele - vera sidika 26 29 - Ruanda proíbe produtos para clareamento da pele

O clareamento da pele é uma indústria de bilhões de dólares nos países predominantemente negros, mas alguns governos querem que isso mude. Um deles é o de Ruanda. Apontando para os efeitos nocivos dos produtos químicos para a saúde, o país começou uma repressão à venda de agentes clareadores, principalmente a hidroquinona e o mercúrio, encontrados nos cosméticos.

“Temos inspecionado cosméticos para garantir que não contenham hidroquinona nem mercúrio”, disse recentemente Simeon Kwizera, porta-voz da Comissão de Padronização de Ruanda. “Estamos apreendendo cosméticos, inspecionando lojas e mercados e orientando revendedores”.

Em Ruanda e em outros países, as pessoas usam cosméticos para clarear a pele por acreditarem que a pele mais clara seria ideal ou indicaria um status social privilegiado. Pessoas de pele mais escura não veem necessariamente seus semelhantes nos cartazes de publicidade, filmes e anúncios, e as celebridades de pele escura às vezes se tornam mais populares depois de clarearem a pele. Tudo isso parece disseminar a crença segundo a qual a pele mais escura não seria considerada bela.

A indústria do clareamento é impulsionada não apenas pelos países africanos, mas também por países como Índia, China, Coreia do Sul e muitos outros do Caribe. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 61% do mercado de produtos dermatológicos da Índia são compostos por produtos de clareamento da pele. Na Nigéria, 77% das mulheres usam produtos de clareamento da pele com regularidade e, na África do Sul, 59% das mulheres o fazem, de acordo com a agência de saúde.

O uso desses produtos frequentemente requer a exposição à hidroquinona e ao mercúrio, principais ingredientes da maioria dos produtos de clareamento da pele, que perturbam ou inibem a produção de melanina, de acordo com o dermatologista Carlos Charles, fundador da clínica Derma di Colore, em Nova York. Dessas duas substâncias, o mercúrio é a mais nociva. Pode causar problemas nos rins, além de provocar alergias na pele, cicatrizes, ansiedade, depressão, psicose e neuropatia periférica, além de reduzir a resistência da pele a infecções por bactérias e fungos, de acordo com a OMS.

Em se tratando da hidroquinona, “os problemas surgem quando é usada em altas concentrações”, explicou Charles. “A substância pode causar alergia, mas o problema é quando ela é usada em altas concentrações por períodos prolongados – pode causar ocronose, um paradoxal escurecimento da pele”.

Alguns países proibiram os cremes clareadores ou o uso de mercúrio e hidroquinona nesses produtos. Em 1983, a África do Sul proibiu 98% dos cremes à base de hidroquinona. Em 2015, a Costa do Marfim proibiu todos os cremes branqueadores, e em 2016, Gana começou a proibir certos produtos de clareamento que incluem a hidroquinona. Ruanda instituiu a proibição em 2013, mas a vigilância só passou a valer em novembro de 2018, com o início da repressão atual.

Simeon Kwizera alerta que, para evitar tantas proibições, alguns fabricantes de cosméticos enxergaram uma oportunidade de lucro mudando o nome dos agentes para manter seus produtos no mercado.

“Há fabricantes que enganam os consumidores”, segundo ele, por meio de artifícios como a criação de numerosas marcas falsas. “Eles forjam mais de 80 nomes para alterar uma denominação”. Kwizera disse acreditar que os produtos com hidroquinona eram geralmente contrabandeados para Ruanda.

O presidente do país, Paul Kagame, defendeu a repressão no Twitter, descrevendo o clareamento da pele como pouco saudável.

 

Sandra E. Garcia, The New York Times

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (57)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD