Connect with us

Politica

Relacão entre a Igreja Católica e a Polícia é saudável, assegura Paulo de Almeida

Published

on

O comandante Geral da Polícia Nacional descartou nesta quinta-feira, a existência de um alegado clima de “tensão” entre a Igreja Católica e a Polícia Nacional. Paulo de Almeida, assegurou, que a relacão com os bispos da CEAST, é saudável.

Num encontro de confraternizacão em que o número um da Polícia Nacional teve nesta quinta-feira com Jornalistas, Paulo de almeida assegurou existir uma relacão saudável entre a organizacão castrense que dirige, com a igreja católica, deixando cair por terra, insinuacões que davam conta de um suposto clima de clivagem, em consequência dos últimos pronunciamentos feitos tanto por Paulo de Almeida na Huíla, e pelos Bispos Católicos.

Para garantir que a relacão entre ambos continua firme e saudável, o oficial da Policia Nacional fez saber, que recentemente teve um encontro com um dos bispos da igreja católica no seu gabinete, recebido por este.

As insinuacões de existência de um clima de tensão entre a Igreja Católica e a Polícia Nacional, começaram a surgir nas redes sociais, depois dos Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São tomé ( CEAST), terem manifestado em outubro, preocupacão com o nível de insegurança e de criminalidade no País, que atingiu no último ano, dezenas de instituicões da Igreja Católica. Na altura, durante abertura da II assembleia ordinária que se realizou em Luanda, a iquietacão terá sido expressa pelo Presidente da CEAST, Filomeno Viera Dias, que na sua intervencão, virada para área social do País, terá dito que a violência tomou conta do meio urbano, e assusta cada vez mais Angolanos e estrangeiros residentes no País, que se sentem inseguros e com medo. Pronunciamentos do clero, que mereceram resposta de Paulo de Almeida, comandante Geral da Polícia Nacional, que respondeu a Igreja com as seguintes palavras: ” Se a Igreja ainda não conseguiu acabar com os pecados e os pecadores, não podemos pensar numa segurança pública ideal, disse, Paulo de Almeida.

Colunistas