Connect with us

Segurança

Rebeldes do M23 ganham terreno na província do Kivu do Norte

Published

on

Os rebeldes do Movimento 23 de Março (M23) estão a ganhar posições na província do Kivu do Norte, na República Democrática do Congo, depois do fracasso do cessar fogo, referem fontes locais.

Segundo fontes citadas na quarta-feira pela agência France-Presse, os combates continuam entre o exército congolês e os grupos locais armados e os rebeldes do M23.

O cessar fogo devia ter tido lugar desde terça-feira “em toda a região oriental da RDCongo”, com base no calendário acordado em 03 de Março, na mini cimeira de Luanda, e anunciado pela presidência de Angola, mediadora nomeada pela União Africana para este conflito.

Ainda assim, os rebeldes avançaram e reforçaram o seu controlo sobre a capital provincial, Goma, uma cidade de mais de um milhão de habitantes, entre o Rwanda, a Leste, e o lago Kivu, a Sul.

O M23 lançou uma ofensiva em torno de Kirotshe e Shasha, nas margens do Lago Kivu, cortando parte do tráfego na estrada nacional para o Kivu Sul.

“Desde as primeiras horas, tem havido combates após o ataque da M23”, disse por telefone Clodius Buhaze, membro da sociedade civil local, acrescentando que os rebeldes estão nas colinas “por cima do hospital, a menos de um quilómetro da estrada” e estão a ganhar terreno ao exército e aos milicianos locais que participaram nos combates.

O tenente-coronel Guillaume Ndjike, porta-voz da província do Kivu Norte, pediu à população, num vídeo colocado esta quarta-feira na rede social Twitter, “para não atacar os vários contingentes destacados como parte da força regional da Comunidade da África Oriental”.

Esta força inicialmente foi mobilizada para impedir o avanço do M23, mas encontrou alguma hostilidade por parte da população, que a acusa de apatia, noticia ainda a agência noticiosa francesa.

O grupo M23, dominado por tutsis, manteve-se inactivo durante quase uma década, mas retomou os combates no final de 2021.

Kinshasa acusa o Rwanda de apoiar este movimento rebelde, o que foi corroborado por peritos das Nações Unidas, ainda que Kigali o negue.