Connect with us

Economia

RealTranfer volta a permitir transferência sem cobrar comissões

A RealTransfer Angola voltou a permitir aos seus clientes a transferências de dinheiro de Angola para cinco países e desta vez sem cobrar comissões, informa a sociedade de remessa de valores.

Redação

Published

on

Os clientes da RealTransfer podem agora enviar dinheiro sem pagar comissões para todos os países da União Europeia ao câmbio de 391,100 Kz por cada nota de 1 euro, para a Cuba ao câmbio de 339,427 Kz a nota de 1 Pesos Cubanos, Brasil 93,375 Kz por Real e Namíbia 25,085 Kz por cada 1 Rand. A remessa de dinheiro é um serviço que permite a transferência efectuada seja creditada na conta do beneficiário no mesmo dia em que é realizada a operação, respeitando os horários de funcionamento dos bancos do país de destino.

O levantamento do montante transferido poderá ser feito em qualquer uma das agências do banco de destino, ficando disponível, em alguns casos, uma hora depois.

De acordo com o Aviso nº. 6/2013 de 2 de Abril do Banco Nacional de Angola, as remessas internacionais, por ordenante e beneficiário, estão sujeitas ao limite mensal equivalente a 500 mil KZ e limite anual equivalente a 2 milhões Kz. A taxa de câmbio está sujeita a alterações de acordo com a política monetária em vigor.

A RealTransfer – Agência de Pagamento de Angola, Lda., é uma instituição financeira autorizada pelo Banco Nacional de Angola, que opera no mercado de transferências de dinheiro desde 2008. Conta com uma rede de balcões em Benguela, Cabinda, Huíla, Luanda, Cunene, Zaire, Moxico, Luanda Sul e Cuando Cubango.

Mercado

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (18)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (73)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (13)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania