Conecte-se agora

Mundo

RDC: Partido de Kabila obtém maioria absoluta no Parlamento

Redação

Publicados

on

rdc: partido de kabila obtém maioria absoluta no parlamento - KABILA2 - RDC: Partido de Kabila obtém maioria absoluta no Parlamento

Vai ficar reduzido o espaço de manobra de Félix Tshisekedi, líder da oposição anunciado na quinta-feira como futuro presidente. Fala-se de golpe palaciano para garantir a continuação da influência de Joseph Kabila, o Presidente de mais de 18 anos, que assume que não vai abandonar a política e admite tencionar candidatar-se de novo ao cargo em 2023.

 

A coligação FCC atualmente no poder na República Democrática do Congo alcançou a maioria no Parlamento nas eleições de 30 de dezembro, segundo anúncio deste sábado da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) congolesa.

Na quinta-feira passada, o mesmo organismo tornou pública a surpreendente eleição de Félix Tshisekedi, líder do maior partido de oposição, a UDPS (União para a Democracia e Progresso Social) e não daquele a quem todas as sondagens de tendência de voto davam vantagem, Martin Fayulu, líder do ECD e grande contendor do Presidente dos últimos 18 anos, Joseph Kabila.

Tudo parece contribuir para compor um cenário político tenso na República Democrática do Congo, que depositou esperanças na que será a primeira transição democrática ou, pelo menos, não violenta, dos últimos 59 anos, desde a independência.

O que se comenta nos orgãos de comunicação social congoleses é uma suspeita que ganha densidade: que esta vitória presidencial tenha decorrido de uma combinação de bastidores que tem por objetivo manter a influência de Kabila sobre as pastas mais importantes do próximo Governo e sobre as forças de segurança.

MANTER INFLUÊNCIA A TODO O CUSTO

Mesmo que tal não venha a acontecer, os poderes do Presidente agora eleito virão a ser bastante limitadas pelo Parlamento com aquela configuração partidária, impedindo-o muito provavelmente de concretizar a promessa eleitoral de cortar com duas décadas de liderança do PR cessante.

Joseph Kabila, o Presidente ainda no ativo, já deixou claro que não se retira da política e que poderá candidatar-se à presidência em 2023, livrando-se deste modo da limitação de número de mandatos prevista na Constituição.

É esta também que prevê amplos poderes para a maioria parlamentar. O Presidente aponta o primeiro-ministro das suas fileiras, mas este deve contrapôr as ordens presidenciais no que toca a nomear ou demitir as chefias militares, juduciais e dos gestores das empresas estatais.

Adam Chalwe, secretário -nacional do partido PPRD liderado por Kabila, o maior da coligação FCC no poder, declarou à agência Reuters na manhã deste sábado que o escrutínio individual dos candidatos da FCC resulta na eleição de mais de 300 dos 500 lugares do Parlamento.

 

Reuters

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (205)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (50)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD