Connect with us

Politica

Rafael Massanga denuncia perseguição política interna na UNITA

Published

on

Os membros da UNITA que apoiaram a candidatura de Alcides Sakala Simões, em 2019, alegam ser alvos de perseguição política e afastamento dos lugares de decisão do partido.

A divisão interna na União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA) iniciou em 2019 antes e depois do congresso que elegeu o actual presidente do partido, Adalberto Costa Júnior.

“Antes, no decorrer e depois do último congresso do nosso partido, destilaram o seu veneno nas redes sociais e não só, com invenções das mais descaracterizadas possíveis, com objectivos já conhecidos”, diz Rafael Massanga Savimbi.

Em uma nota de esclarecimento do secretário das Relações Internacionais e Comunidades da UNITA e deputado da Assembleia Nacional, Rafael Massanga Sakaita Savimbi, a que o Correio da Kianda teve acesso diz que, “desde os tempos em que o mais velho Samakuva dirigia o partido, que covardes escondidos atrás de perfis falsos e de números de telefones ocasionalmente adquiridos para tal efeito, disparam o seu fel contra mim para prejudicarem o meu bom nome e imagem”.

Para o filho do presidente fundador da UNITA, tais atitudes tem como objectivo único de “semear dúvidas e incertezas no seio da UNITA e da sociedade angolana em geral”, frisou e acrescenta que “a nossa participação na luta pelo bem estar da maioria dos angolanos, não é nem uma aventura, nem oportunismo e nem tão pouco um acidente de percurso, mas sim uma tranquila e constante dedicação de toda uma vida”.

“Como sabem, nunca reagi a tais publicações irresponsáveis ou fakenews que amam fazer ou em meu nome ou usando o meu nome e imagem”.

Rafael Massanga Savimbi esclarece, que é da “terceira geração de uma família de patriotas em que cada um a seu tempo e da sua forma lutou e luta dando a sua contribuição para a emancipação, liberdade e dignidade de Angola e dos angolanos”.

O secretário das Relações Internacionais e Comunidades da UNITA e deputado afirma que não “precisa de porta vozes para fazer chegar minhas inquietações e ou preocupações”.

Segundo Massanga, “caso elas existirem (se existirem), resolve-las-ei sem medo e de peito aberto com quem quer que seja, porque é assim que fui educado e é assim que funcionam os órgãos do nosso partido”.

O político assegura que não corresponde a verdade com qualquer publicações que é citado como estando em contra mão com o seu partido.

Rafael Massanga Savimbi finaliza dizendo que “as intrigas e as armadilhas não nos ajudam em nada na resolução dos problemas de Angola”, disse e realça que “tem um longo caminho a percorrer e irei até ao fim”.