Connect with us

Mundo

Quénia: BAD financia USD 150 milhões para construção de auto-estrada de 175 KM

Published

on

O Banco Africano de Desenvolvimento aprovou nesta, o financiamento de 150 milhões de dólares americanos para a construção de uma auto-estrada de 175 KM com quatro faixas de rodagens, podendo gerar 1.500 empregos durante a construção e 200 durante a operação, com pelo menos 40% de conteúdo local sob a forma de mão-de-obra e materiais de origem queniana. 30 anos é tempo de vida útil atribuido à referida auto-estrada.

A referida via que liga Rironi e Mau Summit, está enquadrado no programa de Parcerias Público-Privadas (PPP) do governo queniano, em parceria com o BAD.

O projeto permitirá o desenvolvimento das autoestradas A8 e A8 Sul. A actual estrada A8 de 175 km entre Rironi e Mau Summit será transformada numa via com quatro faixas de rodagens, ao passo que a A8 Sul, terá duas faixas, numa extensão total de 57,8 km, de Rironi a Naivasha.

Ambas as estradas são rotas principais que se estendem pelas partes mais densamente povoadas do país, começando em Nairobi, a capital do Quénia e centro nevrálgico comercial, e atravessam vários condados em Nakuru e Kiambu, zonas agrícolas, reservas de vida selvagem e centros turísticos. As estradas também fazem parte do estratégico “Corredor Norte”, que é o corredor de comércio e transporte mais movimentado da África Oriental, proporcionando acesso aos países vizinhos sem saída para o mar do Quénia.

Os 150 milhões de dólares, provenientes da janela de empréstimo de operações não soberanas do Grupo Banco, fazem parte de uma parcela do DFI para a Rift Valley Highways Limited – um Veículo Financeiro com Fins Especiais incorporado no Quénia e propriedade integral do grupo VINCI e do Fundo Africano Meridiam Infrastructure. Em setembro de 2020, a Rift Valley Highways celebrou um acordo de concessão PPP com a Autoridade Nacional das Autoestradas do Quénia (KeNHA) para conceber, construir, financiar, operar, manter e transferir as duas autoestradas ao longo de um período de 30 anos.

O projeto alinha-se com as aspirações da Visão 2030 do Quénia e da estratégia nacional para apoiar a industrialização através do desenvolvimento de infraestruturas. Alinha-se também com as prioridades do Banco em matéria de infraestruturas na sua Estratégia decenal (2013-2022) e em três das suas cinco Prioridades Estratégicas, nomeadamente a Integração de África, a Industrialização de África e a Melhoria da qualidade de vida do Povo de África.

Este é o primeiro projecto de PPP a ser aprovado pelo Conselho de Administração ao abrigo do Quadro Regulamentar das Parcerias Público-Privadas, recentemente estabelecido pelo Banco. O Diretor Sénior Interino do Banco Mike Salawou afirmou que “as portagens e concessões dos principais corredores comerciais em todo o continente africano estão a aumentar à medida que a necessidade de conectividade e integração é ampliada pelo AfCFTA e pela necessidade de fontes alternativas de financiamento através de PPP, para assegurar a sustentabilidade e fiabilidade dos corredores comerciais”.

Já o Diretora Geral para a Região da África Oriental do Banco, Nnenna Nwabufo, considerou que “uma grande vantagem” do projecto é que “irá melhorar o registo de segurança extremamente deficiente da auto-estrada, que foi identificada como uma das mais propensas a acidentes no Quénia”. Além disso, adianta igualmente, os resultados directos de desenvolvimento esperados do projecto incluem o aumento da produtividade, eficiências comerciais e economias de tempo e custos. “Em última análise, isto deverá apoiar o crescimento económico e aumentar a qualidade de vida da população”, disse.