Connect with us

Mundo

Putin reforça eficácia de 97% da Sputnik V e pede reconhecimento dos países europeus

Published

on

O Presidente russo, Vladimir Putin, negou ontem que utiliza a vacina Sputnik V como instrumento geopolítico para ganhar influência, ao mesmo tempo que expressou o desejo de que os países europeus reconheçam o tratamento contra a covid-19.

“Seria melhor se os reguladores europeus reconhecessem que as pessoas que são vacinadas com as nossas vacinas não têm qualquer diferença em relação às que foram inoculadas com a Pfizer ou outras vacinas”, disse o chefe do Kremlin, numa entrevista às principais agências noticiosas internacionais.

Vladimir Putin salientou que “a eficácia de 97% [da vacina Sputnik V] foi confirmada por peritos”.

“Temos todos os motivos para dizer que temos o pleno direito de disponibilizar esta vacina. Se o país a aceita, é com ele”, salientou o líder russo.

O Presidente da Rússia sublinhou que, na Europa, pequenos e médios países – incluindo a Sérvia e a Hungria – optaram pela vacina Sptunik V, que não foi autorizado pela Agência Europeia do Medicamento (EMA).

Putin classificou como “um disparate” as acusações do Ocidente de que a Sputnik V é uma ferramenta ou uma arma geopolítica para a Rússia.

“Estas acusações não fazem nenhum sentido”, referiu, e sustentou que estas alegações provêm “da concorrência” e daqueles “que não podem reconhecer que a Rússia não é apenas um país de recursos, mas também de um elevado nível de educação e tecnologia”.

O líder russo argumentou que o facto de haver atrasos na vacinação na Europa está “ligado aos interesses comerciais” dos fabricantes, porque “ganham tempo” face aos concorrentes.

Quando as agências europeias lhes dão a autorização para a utilização da sua vacina na Europa, nessa altura já ocupam o mercado com contratos de fornecimento a longo prazo, frisou.

“Então já será demasiado tarde para nós” entrar no mercado da União Europeia (UE), censurou Putin.

O Presidente da Rússia informou que o país já vende a sua vacina antivírus em 66 países e que atualmente não é movida pelo lucro, “mas por razões humanitárias”.

Putin manifestou ainda a sua disponibilidade para transferir a tecnologia da vacina para a Europa.

“Em junho vamos produzir 20 milhões de doses por mês. Temos o suficiente para vacinar toda a população, e vamos atingir 60% das pessoas vacinadas na Rússia até setembro”, acentuou.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.704.003 mortos no mundo, resultantes de mais de 172 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. pedro Henrique

    07/06/2021 at 9:19 am

    Já na mídia nacional, ela é celebrada como um sucesso de exportação.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (14)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (88)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2021 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD