Connect with us

Mundo

Putin enxerga “perspectivas” de cooperação militar com Coreia do Norte

Published

on

O presidente russo Vladimir Putin aceitou o convite do líder norte-coreano Kim Jong-un para visitar a Coreia do Norte, adiantou hoje a agência oficial de notícias de Pyongyang.

No final de um encontro entre os dois governantes esta quarta-feira na Rússia, “Kim Jong-un convidou Putin a visitar a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) quando lhe for conveniente”, frisou a KCNA, utilizando o nome oficial da Coreia do Norte.

“Putin aceitou amigavelmente o convite e reafirmou o seu desejo inabalável de continuar a promover a história e a tradição da amizade Rússia-RPDC”, acrescentou a mesma fonte.

Kim Jong-un reuniu-se esta quarta-feira com Vladimir Putin, durante uma visita excepcional à Rússia destinada a reforçar as suas relações, em particular as militares.

Os líderes da Rússia e da Coreia do Norte reuniram-se no extremo oriente russo durante cerca de duas horas, anunciou o Kremlin.

Putin declarou ver “perspectivas” de cooperação militar com a Coreia do Norte, apesar das sanções internacionais impostas a Pyongyang por causa dos seus programas nucleares e da produção de novos mísseis.

Já Kim Jong-un manifestou-se convencido da vitória do exército e do povo da “Grande Rússia” na Ucrânia, durante um almoço que lhe foi oferecido por Putin.

Kim brindou às “novas vitórias da Grande Rússia”, citado pelas agências russas e internacionais.

Os Estados Unidos advertiram esta quarta-feira a Coreia do Norte de que nenhum país deve ajudar o Presidente russo a “matar inocentes ucranianos”, sublinhando que Pyongyang terá que enfrentar as consequências se o fizer.

“Se decidirem avançar com algum tipo de acordo de armas, certamente haverá repercussões para a Coreia do Norte, quer por parte dos Estados Unidos, quer da comunidade internacional”, sublinhou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, em conferência de imprensa

Washington considera provável que Moscovo procure equipamentos militares.

Para Washington, a aproximação da Rússia à Coreia do Norte, bem como ao Irão, que fornece “drones” (aparelhos não tripulados) a Moscovo, “atesta o seu desespero” na guerra que trava na Ucrânia.

Com Angop 

Colunistas