Conecte-se agora

Sociedade

Prostituir-se na Ilha do Mussulo tornou-se o negócio de muitas mulheres na Passagem de ano

António Sacuvaia

Publicados

on

prostituir-se na ilha do mussulo tornou-se o negócio de muitas mulheres na passagem de ano - 032777ddf 7090 42df b8c1 598e816e4f69 - Prostituir-se na Ilha do Mussulo tornou-se o negócio de muitas mulheres na Passagem de ano

A Ilha do mussúlo, no Município de Talatona, é um dos locais escolhidos por muitos cidadãos nacionais e estrangeiros para as festas de passsagem de ano, e tem sido assim em quase todos os anos.

Conhecido como um local emblemático para festas de fim-de-ano, afinal, não são todos que se deslocam ao Mussulo com o mesmo fim, que é, o de ter um “ Réveillon animado, promovido por resorts e outros recintos de lazer que ali se encontram, onde as propostas de festas com bufett e bar aberto chegam a custar acima dos 30 mil kwanzas, conforme constatamos.

O negócio do Sexo, feito a beira-mar, é um o outro cenário constatado pela equipa de Reportagem do Correio da Kianda, destacada na cobertura da passagem de ano na Ilha do Mussulo.

Eram por volta das 23 e 50, dez minutos antes, para o lançamento de fogos de artifício, quando deparamo-nos com quatro casal a envolverem-se sexualmente na areia, sem pudor, e aos olhos de quem ali passava.

Uma hora depois, o que pensávamos ser um momento único, voltou a se registrar, numa distancia de aproximadamente 10 quilómetros do primeiro local, onde voltamos a flagrar mais 3 casais a fazerem o mesmo, e pela nossa surpresa fomos chamados por duas outras jovens , bem próximos dos 3 casais, que pediam-nos para entrar no negócio, a preço de 3500 por hora e 15 mil kz para noite toda.

“ Oi moços Feliz ano novo, não querem fazerem-nos companhia? Tem um lugar aqui fixe, onde podemos ficar a vontade, só são 3500 por hora e 15 para toda noite, vão gostar, vão ter um reveilon espectacular, não querem? Chamavam-nos, as Jovens com idades aparentemente entre 18 aos 25 anos. Mas não aceitamos.

Disfarçadas de turistas, as garotas de programas com quem conversamos, contaram-nos que o negócio do sexo em épocas de de fim-de-ano, é também um dos atractivos para os homens que para lá se deslocam, conforme contou-nos, sem gravar entrevista a Jovem Marinela, que disse ser a sua quarta vez a deslocar-se aquela Ilha, para prática de prostituição.

“ Somos muitas, e algumas ficam lá naqueles lados da casa branca. Para mim, não é a primeira vez, é a minha quarta-vez, e todos fim de ano estou aqui, mas este ano está fraco, dizem que é a crise. Contou!

O negócio que é feito em zonas isoladas, nem sempre está ao alcance da Polícia, que procuram estar mais próximo de locais com maior concentração de pessoas, para garantir segurança, conforme contou-nos uma vendedora de cervejas.

“ Essas moças que vem aqui fazer vida, elas ficam aqui ondem muita gente fica, mas, quando o homem aceitar, lhe levam lá longe, num sitio mais isolado onde as vezes não tem Polícia, porque se a Polícia lhes apanhar lhes levam, então elas têm medo! Disse.

Tido como uma das melhores zonas turísticas da cidade de Luanda, não apenas pela sua localização, mas também pelo clima tropical que oferece, é na Ilha do mussulo onde centenas de Angolanos e estrangeiros se deslocam para passagem de festas de fim-de-ano, e é também lá onde acontece o maior número de lançamento de pirotecnia (Fogo de artifício) durante a quadra-festiva

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (240)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (15)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (60)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação