Connect with us

Economia

Projecto agrícola da Quiminha replicado em três províncias

Published

on

As províncias de Cabinda, Huambo e Lunda Sul vão expandir as suas áreas irrigadas e beneficiar, a partir do próximo ano, de projectos agrícolas semelhantes ao Projecto Agrícola Integrado da Quiminha, localizado no município de Icolo e Bengo, em Luanda, com vista o aumento da produção de alimentos para as famílias.

Neste âmbito, a província do Cuanza Sul vai contar também com um projecto de reprodução de sementes, para replicar a produção agrícola no País, segundo o ministro da Agricultura e Florestas, Marcos Nhunga.

O governante, que falava hoje à imprensa, no final de uma visita de campo do ministro da Agricultura português, Luís Capoulas Santos, ao Projecto Agrícola Integrado da Quiminha, disse que estes projectos contarão com uma linha de financiamento de Portugal e da União Europeia.

Quanto à cooperação com Portugal, Marcos Nhunga referiu que foi assinado um Plano de Acção entre os dois países, que será executado num período de três anos, visando definir as prioridades e diagnosticar o sector da agro-indústria e pecuária.

Para o ministro, além deste plano as outras prioridades do sector recaem na formação de quadros para conduzir os projectos desenhados, bem como na fitossanidade e zoossanitária, com vista a protecção de plantas e animais.

Por outro lado, o ministro português mostrou-se impressionado com a concessão e execução prática do Projecto Quiminha, por existir uma simbiose entre a agricultura empresarial e familiar, visando a garantia de condições condignas para população.

No âmbito da vasta cooperação entre Angola e Portugal, Luís Santos referiu ser necessário hierarquizar as prioridades do sector agrícola, que passam essencialmente na sanidade animal e vegetal, apetrechando rapidamente o sector com laboratórios de referência que permitem a habilitação de certificados de exportação.

Reconheceu que Angola tem capacidade de abastecer o mercado nacional e no curto prazo exportar os produtos agrícolas.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *