Connect with us

Sociedade

Professor transforma escola em cantina para conseguir sustentar a família

Published

on

Um cidadão no bairro da Caop, município de Cacuaco, transformou uma pequena escola, onde dava aulas de explicação para crianças, em cantina de produtos provenientes do seu campo de cultivo. Tudo porque, segundo contou a este jornal, a sua família, que dependia do pouco que era pago pelos  pais  dos alunos, têm estado a passar por várias necessidades, uma vez que, com a pandemia, os ajuntamentos foram proibidos e, consequentemente, as aulas também.

“Tivemos de transformar duas salas, das três onde dávamos explicacão, em cantinas para vender as verduras cultivadas pela minha esposa e filhas. Tudo porque as dificuldades aumentaram e a esperança de se retomar as aulas aqui, estão cada vez mais distante”, disse Alfredo Mendonça, cidadão de 50 anos, em entrevista ao Correio da Kianda.

A viver numa das localidades mais pobres de Cacuaco e com um número considerável de crianças fora do ensino escolar, há muito que Alfredo Mendonça encontrou no ensino, um motivo para fazer sorrir crianças da zona, ensinando com o seu saber, e com o apoio de voluntários, os mais de 50 alunos.

“Começamos a ensinar aqui há quase 6 anos. Foi com 4 alunos que arrancamos, e hoje estamos com mais de cinquenta. Sempre tive gosto em ensinar, não apenas pelo dinheiro, porque o que aqui cobramos é mesmo só para a panela de casa. Mas agora que tudo está parado, para além de estar desmoralizado, confesso que o pouco que se conseguia na explicação está a nos fazer mesmo falta”, fez saber.

Sem um emprego alternativo, tirando a sua pequena escola de explicação, gerir as dificuldades diárias não têm sido fácil para Alfredo Mendonça, que, desde o momento que se anunciou o primeiro caso da covid-19 no país, a lavra e a enxada tornaram-se no meio de sustento para a sua família.

“Todos os dias a minha família vai a lavra, e o que se conseguir, desde o repolho, o tomate e a couve, metemos aqui na nossa cantina para vender. Esperamos que essa situação passe para voltarmos a dar aulas aos nossos miúdos da Caop”, disse.