Connect with us

Lifestyle

Procura pelo ancoró no Mercado dos Kwanzas dispara no Dia dos Namorados

Published

on

Subiu de quinhentos para dois mil kwanzas, o preço da colher de sopa do afrodisíaco mais procurado no mercado a céu aberto dos Kwanzas, no Dia dos Namorados.

Mesmo triplicando, a procura pelo ancoró disparou desde as primeiras horas desta quarta-feira, 14, Dia de São Valentim.

Jovens e até adolescentes, com idades que vão dos 17 aos 40 anos, recorreram ao Mercado dos Kwanzas a procura pelo apelidado “tira teima” nome dado ao pó chamado ancoró pelas comerciantes de raízes no local.

Constatou ainda o Correio da Kianda, que para além dos populares, figuras politicamente expostas, tornaram-se potenciais clientes do ancoró no mercado dos Kwanzas, no dia de hoje.

Ao Correio da Kianda revelaram as comerciantes que inclusive altas patentes da Polícia, alguns enviando motoristas para não serem fotografados, como tem sido habitual em ocasiões como hoje, segundo disseram, estão a ter como preferência fazer o uso do ancoró para solução da disfunção eréctil.

“Nenhum homem quer patinar na cama no dia de hoje. Por isso é que estamos a vender mesmo bwé e o ancoró como é natural e não falha, todos os homens estão a vir comprar”, disse Rebeca Kakombe, comerciante de raízes há 8 anos no mercado dos Kwanzas.

“O ancoró é um pó que muitos jovens que bebem muito wiski dos pacotes e têm dificuldades na ereção procuram para resolver o seu problema, sempre que estão prestes a se relacionar com alguém”, disse, Juliana Pombo, comerciante de medicamentos tradicionais nos Kwanzas, confirmado por uma outra comerciante que não aceitou identificar-se

“Trata-se de um pó que vendemos aqui e que é colocado na ponta do pênis 15 minutos antes de se relacionar”, sublinhou.

“Os “papoites” e alguns jovens estão a vir comprar porque é um medicamento que aumenta a força do homem na cama e tira a vergonha de um homem fraco”, explicou, ao Correio da Kianda, a jovem vendedora, de apenas 26 anos, com um sorriso no semblante.

Continue Reading
5 Comments

5 Comments

  1. Manuel Caetano Luís

    15/02/2024 at 5:17 pm

    POR CONTA DA SITUAÇÃO DO PAÍS SÓ DEVEMOS TER CALMA E TER UMA FORTE CAPACIDADE INTELECTUAL.

  2. Eduardo

    15/02/2024 at 7:27 pm

    Será que isso não tem conseguencias depois

  3. Jurelma

    15/02/2024 at 8:16 pm

    Depois as consequências virão

  4. Verdade Fernando

    16/02/2024 at 7:34 am

    Curioso, esse facto

  5. wilson Burity

    16/02/2024 at 4:01 pm

    Acho que se poderia investir bem esse produtos no ponto de vista científico, para avaliar os seus efeitos colaterais e a prescrição médica. Porque se for viável no ponto de vista científico, é uma oportunidade dos angolanos produzirem mais e quiçá comercializar em toda sua extensão territorial e na diáspora.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *