Connect with us

Politica

Processo de destituição do PR pode dar entrada antes do fim do ano parlamentar 

Published

on

Uma fonte bem posicionada afecta ao Grupo Parlamentar da UNITA garantiu à Rádio Correio da Kianda, que o processo de acusação e destituição do Presidente da República, João Lourenço, poderá dar entrada à mesa da presidente da Assembleia Nacional, antes de 15 de Agosto, dia da sessão solene de encerramento do ano parlamentar 2022-2023.

A fonte que temos vindo a citar, que falou sob anonimato, disse que a equipa técnica está engajada, mas, mostra-se igualmente céptica faltando menos de dez dias.

Nessa altura, prosseguiu, o processo dará entrada à Comissão Permanente do hemiciclo angolano, terá de cumprir com os procedimentos internos da Assembleia Nacional e da Lei. O documento será igualmente verificado nas Comissões de Especialidade em razão da matéria.

Depois dessas etapas é que o processo irá para a Plenária para ser aprovado na generalidade, caso venha ser admitido nos termos da Lei.

Entretanto, os deputados do MPLA já manifestaram o seu apoio ao seu líder João Lourenço.

Na ocasião, o MPLA acusou a UNITA de ser “irresponsável” e de querer ascender ao poder “sem legitimação”, afirmando que os seus deputados vão tomar providências para impedir que o parlamento angolano seja instrumentalizado.

“Face à realidade constatada, a gravidade das acusações e dos actos que têm vindo a ser protagonizados de forma irresponsável pela UNITA, contra o Presidente da República, chefe de Estado, Titular do Poder Executivo e Comandante em Chefe das Forças Armadas Angolanas, o Bureau Político do MPLA orientou o seu grupo parlamentar a tomar todas as providências para que o parlamento angolano não venha a ser instrumentalizado, para a concretização de desígnios assentes numa clara agenda subversiva, imatura e de total irresponsabilidade política”, disse, o secretário para a Informação do Bureau Político do MPLA, Rui Falcão.

Parlamentares da UNITA pedem destituição do Presidente da República

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.