Connect with us

Politica

Primeira-Dama pede intercâmbio entre as gerações

Published

on

A Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, lançou, nesta sexta-feira, 18, a plataforma “Dikota E_6.0″ para a valorização dos mais velhos e ajudar a empoderar os jovens.

No lançamento da plataforma, Ana Dias Lourenço esclareceu que a mesma tem a missão de criar um “antes” e um “depois”, para que a geração mais nova possa começar a olhar para os cidadãos com mais de 60 anos de forma diferente, como uma mais-valia para as suas iniciativas e para o seu amadurecimento.

O que se pretende, disse, é que os caminhos do saber e da aprendizagem sejam feitos juntos, num contexto de diálogo de gerações. “A intergeracionalidade é um veículo importantíssimo para a criação e manutenção do espírito de comunidade, valorização da família e da entreajuda”, considerou.

Para a Primeira-Dama, não são só os mais velhos que precisam e recebem apoio, mas eles também se tornam essenciais para a educação e apoio às crianças e jovens, acrescentando bem-estar à sua família e comunidade e, por sua vez, ganhando em dignidade, dinamismo e auto-estima”, disse.

A “Dikota E_6.0”, segundo Ana Dias Lourenço, é uma plataforma de estratégias multidisciplinar, pensada para construir uma sociedade inclusiva e será transversal aos vários sectores da sociedade, independentemente de graus académicos, meios sociais, culturais ou escolares.

Garantiu que, nesta plataforma, todos terão oportunidade de transmitir o que são e o que sabem para os que querem crescer e aprender e nela o acesso ao conhecimento estará mais disponível e será personalizado. A Primeira-Dama da República acredita que o projecto irá criar raízes e deixar marcas na sociedade.

“É um projecto abrangente, une o passado, o presente e o futuro”, sublinhou, acrescentando que a “Dikota E_6.0” é uma plataforma de esperança, dignidade, valores, cidadania e de encontro inter-geracional. “Desenvolvemos uma plataforma de construção do futuro, mas assente no nosso passado e nas nossas pessoas”, insistiu.

Para mentora do projecto, Angola não pode desperdiçar os melhores ensinamentos do passado. “Hoje é chegado o momento de as gerações mais velhas darem as mãos aos mais jovens para que, juntos, construamos uma sociedade mais justa e inclusiva para todos os angolanos”, defendeu.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas