Connect with us

Politica

Primeira-dama angolana com gabinete para apoiar projectos

Published

on

Segundo o decreto, de 29 de Janeiro e ao qual a Lusa teve hoje acesso, o objectivo deste gabinete será contribuir, através da figura da primeira-dama, para um país “do qual os angolanos se possam orgulhar, resgatando os valores morais e sociais essenciais e desenvolvendo acções de ampla abrangência que produzam um impacto positivo na vida dos angolanos”.

O gabinete de Ana Lourenço terá uma equipa de nove pessoas, nomeadamente secretários e consultores, e um orçamento garantido por dotação dos Órgãos Auxiliares do Presidente da República (OAPR), determina o mesmo decreto.

“O papel da primeira-dama da República deve ser desempenhado com base num conjunto de princípios éticos, morais e sociais que são imanentes do simbolismo que acarreta aquela entidade, dentre os quais sobrelevam a cortesia, a responsabilidade, a solidariedade, o respeito, a ética, o rigor e a inovação”, justifica ainda o documento.

Entre outras competências, o gabinete da primeira-dama deverá actuar como “mobilizador no desenvolvimento de programas multissetoriais, nas áreas da economia local, desenvolvimento rural, assistência social, saúde, educação, cultura, arte e ambiente”, bem como promover “campanhas e programas para prevenir e atender às necessidades de emergência ou calamidades, prestando solidariedade e outros suportes”.

Também terá de identificar organizações interessadas em apoiar projectos para serem patrocinados pela primeira-dama, bem como apoiar entidades “que prestem especial atenção às crianças, jovens, mulheres e idosos”.

Eleita deputada na lista do MPLA nas eleições gerais angolanas de 23 de Agosto, Ana Dias Lourenço, de 60 anos, acabou por suspender o mandato em Outubro, acompanhando regularmente o marido, João Lourenço, Presidente da República, em visitas no país e ao estrangeiro.

Formada em economia, além de ministra do Planeamento durante o Governo do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, Ana Lourenço foi quadro do Banco Mundial e do Banco Africano de Desenvolvimento.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *