Connect with us

Eleições 2022

Presidentes dos partidos da CASA-CE pedem cabeça de Manuel Fernandes

Published

on

Os Presidentes dos partidos políticos PPA e PADA, Fele António e Sikonda Alexandre Lulene, respectivamente, estão a pedir a ‘cabeça’ de Manuel Fernandes, pelo facto de a CASA-CE não ter conseguido votos capazes de eleger Deputados à Assembleia Nacional.

Uma fonte próxima dos Presidentes dos partidos PPA e do PADA, que formam a Coligação Eleitoral CASA-CE, refere que Fele Antonio e Sikonda Alexandre Lulene, acusam Manuel Fernandes como o pior dos líderes que já dirigiram a Coligação nos últimos anos.

Os mesmos fazem fé de um milagre, acreditam que dos 3% ainda por escrutinar pela CNE virão votos suficientes para eleger Deputados.

Os dirigentes partidários, de acordo com a fonte do Correio da Kianda, falam ‘de boca pequena’ que irão convocar de emergência o Colégio Presidencial para decidir o futuro da Coligação e do Presidente Manuel Fernandes.

“A situação continua tensa, as acusações e palavrões continuam em cima da mesa”, afirmou.

O clim de tensão na CASA-CE surge depois da divulgação dos últimos resultados provisórios divulgados ontem pela CNE, onde a CASA-CE liderada por Manuel Fernandes, alcançou 0,75% dos votos.

Os dois dos principais líderes dos partidos políticos que formam a Coligação Eleitoral, pedem a cabeça de Manuel Fernandes, por entenderem ser o responsável do “deslise da CASA-CE”.

Com 97,3% dos votos já escrutinados a CASA-CE encontra-se na sexta posição, atrás do PRS, FNLA e do PHA. Os dados estão a ser lderados pelo MPLA, com 51,7%, seguida da UNITA com 44,3%. Ainda a APN e P. NJANGO, com 0,48% e 0,42% respectivamente.

Ainda nesta quinta-feira, o Presidente da CASA-CE viu-se impedido de sair da sede da Coligação, pelos delegados de lista que trabalharam nas eleições, pelo facto de não ter honrado com o compromisso de pagamento do subsídios, na sua sede, em Luanda.

Manuel Fernandes utilizou a saída dos fundos para sair do edifício, mas ainda acabou barrado por uma centena de cidadãos, maioritariamente jovens, que gritavam pelo pagamento dos subsídios acordados para o trabalho de delegados de lista.

Lembrar que a Convergência Ampla de Salvação de Angola -Coligação Eleitoral, foi criada cerca de seis meses antes do pleito eleitoral de 2012, liderada, na altura, pelo actual segundo cabeça de lista da UNITA, Abel Chivukuvuku.

Os resultados eleitorais daquele ano, colocaram a CASA-CE como a terceira força política no país, elegendo oito assentos parlamentares, deixando para atrás o PRS que ocupava o terceiro lugar e a FNLA.

Já em 2017, ainda sob aliderança de Abel Chivukuvuku, a Coligação Eleitoral duplicou os resultados alcançados em 2012, subindo para 16 parlamentares.

Com a expulsão de Abel Chivukuvuku em finais de 2019, foi indicado o almirante André Mendes de Carvalho “MIAU”, que liderou a CASA-CE pouco menos de um ano, e que foi obrigado a renunciar a presidência. Em unanimidade o Colégio Presidencial da CASA-CE decidiu indicar Manuel Fernandes como o terceiro Presidente da história da CASA-CE.