Connect with us

Mundo

Presidente do Uganda promove filho a chefe do Exército

Published

on

Após 38 anos no poder, o líder veterano não tem rivais, o que leva muitos a acreditar que está a preparar o seu filho para o cargo mais importante.

O Presidente do Uganda, Yoweri Museveni, promoveu o seu filho como chefe do exército, levantando preocupações de que esteja a preparar o seu filho mais velho para a presidência.

O Ministério da Defesa e Assuntos de Veteranos anunciou na noite de quinta-feira que o general Muhoozi Kainerugaba foi nomeado chefe das forças de Defesa, coroando a sua rápida ascensão nas fileiras do exército ugandense desde o final da década de 1990.

A decisão do líder veterano gerou especulações de que ele estaria preparando seu filho, de 49 anos, para sucedê-lo como presidente. Em uma postagem agora excluída no X no ano passado, Kainerugaba disse que pretendia concorrer à presidência nas eleições de 2026, embora também tenha negado as alegações de que está de olho no cargo mais alto.

Recentemente, o filho do presidente tem realizado comícios por todo o país, violando uma lei que proíbe os oficiais do exército em serviço de se envolverem em política partidária. Mas Kainerugaba diz que as suas actividades, incluindo o lançamento do grupo activista Liga Patriótica do Uganda, são apartidárias.

Museveni, de 79 anos, assumiu o poder pela força pela primeira vez em 1986 e desde então foi eleito seis vezes. Ele não tem rivais dentro do partido governante, Movimento de Resistência Nacional, o que levou muitos a acreditar que os militares terão uma palavra a dizer na escolha do seu sucessor.

Os apoiantes de Kainerugaba dizem que ele oferece uma oportunidade para uma transferência pacífica de poder na antiga colónia britânica, potencialmente a primeira desde a independência em 1962. Os críticos dizem que a sua ascensão está a conduzir o país da África Oriental para um domínio hereditário.

Kainerugaba ingressou no exército no final da década de 1990, e sua rápida ascensão na hierarquia foi apelidada de “Projecto Muhoozi”. Museveni e Kainerugaba negaram a existência de um esquema para levá-lo à presidência, mas a nomeação deste último para chefe do exército, acompanhada por uma remodelação ministerial, sugere que uma transição pode estar em curso.

Com agências internacionais