Conecte-se agora

Mundo

Presidente do Parlamento Europeu diz que Mussolini “fez coisas positivas”

O presidente do Parlamento Europeu (PE), Antonio Tajani, defendeu esta quarta-feira que o ditador italiano Benito Mussolini “fez coisas positivas”, designadamente ao nível das infraestruturas, declarando-se, contudo, um “antifascista convicto”.

Avatar

Publicados

on

presidente do parlamento europeu diz que mussolini "fez coisas positivas" - ANTONIO TAJANI - Presidente do Parlamento Europeu diz que Mussolini “fez coisas positivas”

“Até ter declarado guerra ao mundo inteiro, secundando Hitler, e ter promovido as leis raciais [contra judeus, a partir de 1938], à parte do assunto dramático do [assassínio do líder socialista Giacomo] Matteotti, fez coisas positivas”, disse Tajani no programa de rádio “La Zanzara”, em resposta a uma pergunta.

Antonio Tajani justificou que Mussolini “realizou infraestruturas” no país: “Do ponto de vista dos feitos concretos realizados não se pode dizer que não tenha feito nada”, apontou.

“Pode não se partilhar o método, eu não sou fascista nem nunca fui, mas há que ser honesto. Fez estradas, pontes, edifícios, centros desportivos, reabilitou parte da nossa Itália. Quando se faz um juízo histórico deve ser-se objetivo”, declarou.

Tajani considerou que as leis raciais, que afetaram sobretudo os judeus, foram “uma loucura”, e que a declaração da II Guerra Mundial constituiu “um suicídio que os italianos pagaram caro”.

Interrompido pelo entrevistador, perguntando-lhe se “algo se salva” do legado de Mussolini, Tajani acrescenta: “Absolutamente, sim. Certamente que não era um campeão da democracia, mas algumas coisas fez”, sublinhou, voltando a insistir que os fascistas realizaram obra.

Após receber as primeiras críticas por estas declarações, o político conservador italiano defendeu-se numa publicação na sua conta oficial da rede social Twitter que mantém enquanto presidente do Parlamento Europeu.

“Cobre-se de vergonha quem manipula aquilo que eu alegadamente disse sobre o fascismo. Sempre fui um convicto antifascista, não admito que ninguém sugira o contrário. A ditadura fascista, as leis raciais, as mortes que causaram, são a página mais negra da história italiana e europeia”, declarou.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (268)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (15)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (17)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (65)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação