Connect with us

Mundo

Presidente do Líbano admite que soube do nitrato de amónio em Julho

Redação

Published

on

O Presidente do Líbano, Michel Aoun, reconheceu hoje que soube da presença de uma “grande quantidade” de nitrato de amónio no porto de Beirute em 20 de Julho, duas semanas antes das explosões da semana passada.

O presidente Aoun foi informado em 20 de Julho de 2020, através do relatório de segurança do Estado, da presença de uma grande quantidade de nitrato de amónio num armazém do porto de Beirute e o conselheiro militar de sua excelência [o chefe de Estado] informou o secretário geral do Conselho Supremo da Defesa”, afirmou a Presidência na sua conta na rede social Twitter.

O assessor de Aoun informou o Conselho de Ministros “para que tomasse as medidas necessárias” e o secretário geral do Conselho Supremo da Defesa remeteu o texto aos departamentos “competentes”, adianta ainda a Presidência.

“A Presidência da República deseja que a investigação judicial siga o seu curso, usando de todas as experiências para mostrar a verdade completa sobre a explosão, as suas circunstâncias e os responsáveis a todos os níveis”, acrescenta.

A mensagem de Aoun surge após informações de diversos ‘media’ de que tanto o presidente como o primeiro-ministro, Hasan Diab, que se demitiu na segunda-feira, sabiam da existência do nitrato de amónio no porto.

Aoun está sob forte pressão, não só das ruas, onde se têm multiplicado protestos desde as explosões de dia 04 para pedir a saída de toda a classe política, como também de alguns setores políticos.

Duas explosões em 04 deste mês no porto da capital libanesa provocaram pelo menos 171 mortos, 6.000 feridos, 300.000 desalojados e dezenas de desaparecidos.

As autoridades libanesas têm atribuído as explosões a um incêndio num depósito no porto onde se encontravam armazenadas cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amónio.

As explosões alimentaram a revolta de uma população já mobilizada desde o outono de 2019 contra os líderes libaneses, acusados de corrupção e ineficácia.

Na segunda-feira, o governo libanês, acusado de corrupção e de má gestão da pandemia, bem como responsabilizado pela crise económica grave, apresentou a demissão, mas ficará em funções até à formação de um novo executivo.

Por Lusa

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (75)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (14)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2020 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD