Connect with us

Destaque

Presidente do grupo parlamentar do Galo Negro desafia Ministério Público

Published

on

Presidente do maior partido da oposição (UNITA), Adalberto da Costa Jr., numa conferência de imprensa no “quintalão” do SOVISMO, desafiou o Ministério Público á investigar as acusações relacionadas com a corrupção e branqueamento de capitais que envolvem membros do Executivo angolano e algumas figuras da alta-hierarquia do do Partido no Poder (MPLA). Esta reacção da UNITA, surge em relação à uma série de acusações, processos judicias e “bombas” lançadas pelos órgãos de comunicação social portuguesa, cuja televisão SIC aparece como “timoneiro” das reportagens.

“Algumas dessas reportagens que vêm de Portugal trouxeram e obrigam a Procuradoria-Geral da República a investigar. Ou então, estará a desviar o seu olhar daquilo que é a sua responsabilidade”, firmou o líder da bancada parlamentar do Galo Negro, Adalberto da Costa Júnior.

O líder parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) falava hoje na Capital (Luanda) do país, apontou energicamente sobre o caso do Banco Espírito Santo Angola (BESA) e envolvimento de altos responsáveis do regime, considerando que tais abordagens afectam a imagem do país e, destroem a sua reputação e prestígio junto da comunidade internacional como também dos seus parceiros internacionais estratégicos.

“Algumas dessas reportagens conformam gravíssimas violações à lei, saídas milionárias do Banco Nacional de Angola, absolutamente ilegais que criam pobrezas, sofrimentos, danos e que maltratam a imagem do país, com puro silêncio das instituições. Isto não pode continuar no futuro, porque estas acções atentam efectivamente a todos nós”, assegurou Da Costa Junior.

“Hoje temos fora do país valores financeiros saídos ilegalmente, superiores às reservas que o país oficialmente tem para responder as necessidades de gestão nacional. Isto é muito grave e deve-se pôr um ponto final nesta matéria”, rematou ainda o líder da UNITA.

Questionado sobre a atuação dos órgãos judiciais angolanos, o líder parlamentar da UNITA considerou que os mesmos estão “absolutamente corrompidos, fora do prazo” e com “falta de legitimidade”. “O que faz o Tribunal de Contas? O Tribunal Supremo fala mas não age. O Tribunal de Contas e o Tribunal Constitucional estão fora do prazo, não têm falta de legalidade, mas sim de legitimidade. O nosso sistema judicial está absolutamente corrompido do topo à base, não só na visão da UNITA mas na visão de qualquer cidadão isento. Temos dirigentes com bens que não justificam o seu rendimento legal”, acusou.

Da Costa Júnior aproveitou o momento para tecer duras críticas sobre a atuação do parlamento angolano, considerando mesmo que “não serve o interesse do cidadão”, até porque as transmissões das reuniões plenárias que são apresentadas à comunicação social – que acompanha o evento numa sala à parte dentro da Assembleia Nacional – serão censuradas.

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Sacou

    21/07/2020 at 10:22 pm

    Awesome! Its genuinely awesome post, I have got much clear idea about
    from this article.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas