Connect with us

Politica

PRA-JA de Chivukuvuku trabalha em silêncio e promete apresentar novidades em Agosto

Published

on

Uma fonte fidedigna junto da coordenação do projecto político PRA-JA Servir Angola garantiu esta tarde, à Rádio Correio da Kianda, que o processo de recolha de assinaturas está a decorrer em todo país, para dar seguimento a legalização do partido político que tem a testa o antigo líder da CASA-CE, Abel Chivukuvuku.

Segundo a fonte, a organização está evitar falar antes de acção, por isso, só haverá pronunciamento público na segunda quinzena de Agosto do ano em curso, “naquela altura, já se saberá o que está ser feito, isto é sair das intenções para prática”, garantiu.

A recolha está ocorrer em todas províncias do país, em obediência a lei dos partidos políticos, as delegações estão a reunir todos os pressupostos legais, desde as fichas de subscrições, a fonte assegurou por outro lado que, ao número de assinaturas e documentos exigidos já ultrapassam o número exigido por lei, que é de sete mil e quinhentas subscrições.

Sobre algumas especulações da alegada dupla militância por alguns membros do PRA-JA estarem ligados a UNITA, o político disse que este é um falso problema, “uma vez que a lei dos partidos políticos proíbe um cidadão militar em duas formações políticas, e o PRA-JA, ainda não é uma formação política legal, por isso, aqueles que estão no parlamento, nas vestes de deputados tem alguma limitação”, mas, isso avança a nossa fonte, “não condiciona os outros membros”.

Decorridos quatro anos depois do chumbo do Tribunal Constitucional, que é o período que a lei estabelece, “o projecto agora está em condições de dar seguimento para a sua legalização”, assegurou a fonte sem gravar a entrevista.

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.