Connect with us

Politica

PR quer um “casamento perfeito” entre o executivo e o sector privado

Published

on

O Presidente da República, João Lourenço, destacou este sábado, 14, a necessidade de um “casamento perfeito” entre o executivo e o sector privado para que cada um cumpra com a parte que lhe compete.

Ao discursar na cerimónia de tomada de posse dos membros do Conselho Económico e Social, o Presidente da República destacou a importância do sector privado e a da responsabilidade do estado no aumento da produção de bens e serviços e da diversificação da economia.

“Temos que fazer um casamento perfeito entre o Executivo e o sector privado, para que cada um cumpra a parte que lhe compete, porque só assim conseguiremos aumentar a produção interna de bens e serviços e aumentar o nível das exportações do país de forma mais diversificada”, sustentou.

João Lourenço considerou importante não se limitar apenas à exportação de matérias-primas, como o crude e o diamante, mas diversificar a qualidade dos produtos exportáveis.

“Angola deve ter a ambição de exportar muito mais, em termos de diversidade, do que aquilo que temos vindo a fazer”, disse.

O Estadista angolano lembrou que o seu executivo aprovou programas importantes e promoveu o aumento da produção de grãos e da pecuária, com necessidade de repovoamento pecuário e de reduzir a importação de carne, que considerou um dos principais problemas do país.

“Para alcançar esses objectivos, o Governo definiu uma linha de financiamento para os próximos cinco anos e espero que o sector privado aproveite essa oportunidade para investir no crescimento da população bovina e na capacidade industrial para transformar a carne”, disse.

João Lourenço, disse ainda que o país precisa de investir em mais matadouros, para garantir que a carne chegue à mesa dos consumidores em boas condições.

O presidente almeja que o país se torne um grande exportador de peixe e de outros produtos do mar, com aprovação, recentemente, do programa de fomento da captura de pescado.

“Com um país com 1.650 quilómetros de Costa, devemos ser, necessariamente, exportadores de peixe e de outros produtos do mar. Embora já o façamos em pequena escala, acredito que, dependendo exclusivamente de nós, podemos dar um salto e passar a ser um grande exportador de pescado e de outros produtos do mar”, incentivou.

O Presidente exortou ao Conselho Económico e Social para encontrar as melhores formas de utilizar a indústria da madeira para benefício do país, com objetivo de proteger melhor as florestas e criar empregos.

O Chefe do Executivo também destacou a importância de se processar mais madeira local e de desenvolver a indústria de móveis, que considerou altamente dependente de importações, actualmente.

“A indústria de móveis deve ser desenvolvida. Hoje, tirando a produção de carteiras escolares, pouco mais se faz. Portanto, os móveis que os nossos lares utilizam são grande parte de importação. Temos a possibilidade de produzi-los localmente”, apelou.

Sobre as questões sociais, João Lourenço destacou a importância de se encontrar soluções para expandir o acesso à educação, saúde, ao desporto e à cultura para todas as regiões do país, incluindo a construção de novas infra-estruturas.

0 coordenador do conselho econômico e social , José Octávio Serra Van-Dúnem no final da cerimónia, disse que o organismo que coordena pretende contribuir com ideias e, principalmente, apresentar propostas que possam ajudar o Presidente da República e o Executivo a implementar políticas públicas que atendam às expectativas dos cidadãos.