Connect with us

Sociedade

Polícia repudia atitude de manifestantes durante protesto em Luanda

Published

on

A atitude de desobediência à ordem e a invasão ao busto do primeiro presidente de Angola, António Agostinho Neto, praticada por alguns jovens que participaram na manifestação pela cidadania, pelo elevado custo de vida e pela realização das eleições autárquicas, em Luanda, organizado pela sociedade civil, provocou indignação por parte de várias personalidades, Governo Provincial de Luanda e da Polícia Nacional na capital do país, tendo considerado como “falta de respeito e quebra dos acordos entre os promotores da marcha e as forças policiais”.

Segundo o porta-voz da Polícia em Luanda, Nestor Goubel, os manifestantes desrespeitaram o que havia se acordado durante o encontro, entre os organizadores da marcha e a Polícia Nacional, onde foi definido o início da manifestação, previsto para as 11 horas, defronte ao cemitério da Santa Ana, e as rotas que deviam ser percorridas até ao Largo Primeiro de Maio.

“É de lamentar aqui a desobediência em flagrante dos pressupostos legais que foram acordados. Havíamos definido os locais. Para a nossa surpresa, desviaram a rota passando pela Avenida Deolinda Rodrigues, chegando assim ao Largo Primeiro de Maio.

Para o oficial da polícia, a tomada de assalto ao busto de Agostinho Neto, por alguns jovens, é sinal de desrespeito ao maior símbolo da independência no país.

“O Largo da Independência para nós carrega um simbolismo muito forte, porque é aí onde está o lider fundador da nação”. O porta-voz disse ainda que se temos um país independente e um país em democracia  e de direito, é porque “alguém bateu-se para este feito”, e sublinha que “é preciso respeitar mais”.

De acordo com Nestor Goubel, a polícia em Luanda cumpriu com o seu papel, assegurando e acompanhando a manifestação, tendo reconhecido que tiveram conhecimento desta desobediência, mas fizerem cumprir aquilo que é de lei e o que é estabelecido num país de direito e democrático.

A polícia acusou ainda os organizadores de utilizarem crianças e estudantes para aderirem à marcha.

Colunistas